Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Notícias e Estórias

O momento justifica-o e o objecto da família, Ex-Militares da Companhia de Caçadores 3485, impõe-no. Vamos, todos, contribuir com notícias e estórias do presente e do passado.

Notícias e Estórias

O momento justifica-o e o objecto da família, Ex-Militares da Companhia de Caçadores 3485, impõe-no. Vamos, todos, contribuir com notícias e estórias do presente e do passado.

Uma anedota... ao Sábado

Alto Chicapa, 28.12.13

O Maneli, alentejano de gema, adormeceu na praia sob um sol escaldante e sofreu graves queimaduras nas pernas.

 

Foi transportado para o hospital de Beja, com a pele completamente vermelha, cheio de bolhas, e as dores eram horríveis. Qualquer coisa que lhe tocasse na pele ... era a mais completa agonia!

 

O médico, um alentejano de Serpa, foi ver o Maneli e prescreveu que lhe fosse administrado soro, por via intravenosa, um sedativo leve e 3 comprimidos de Viagra de 8 em 8 horas.

 

Antonieta, a enfermeira de serviço também ela alentejana, da Vidigueira, completamente boquiaberta perguntou:

- Oh Doutori, vomecê desculpe ... mas vomecê receitou Viagra ?!!!

Responde o médico:

- Si senhora, recetê Viagra e muito bêm.

A Antonieta volta a perguntar:

- Mas atão pra que serve ao Maneli o Viagra nas condições em quele tá?

Ao que o médico respondeu:

- Atão nã se tá memo a vere ? É prós lençois nã tocarem nas quêmaduras das pernas !!!

 

(enviada por Álvaro Marques)

Uma anedota... ao Sábado

Alto Chicapa, 21.12.13

A Madre Superiora de uma congregação irlandesa, com seus 98 anos, estava em seu leito de morte.

As monginhas a rodeavam, tentando tornar cômoda sua última viagem. Deram-lhe leite quentinho, bebeu um gole e não quis mais.

 

Uma monginha levou à cozinha o copo de leite. Nesse momento recordou que havia na despensa uma garrafa de whisky irlandês que lhes haviam dado para o Natal, e pôs uma boa dose no leite. Voltou ao leito da superiora e aproximou o copo da boca. A superiora bebeu um golinho, depois outro e antes de que se dessem conta, tomou até a última gota.

 

As monginhas lhe disseram:

"Madre, dê-nos uma última palavra de sabedoria antes de morrer".

Com um último esforço, levantou-se um pouco e lhes disse:

"Não vendam essa vaca"

 

(Enviada por José Canossa)

Vila Ruiva, Foz Côa, Douro Superior e Freixo de Numão - Operação Low Cost 2013 em Vídeo

Alto Chicapa, 19.12.13

O tempo, ao distanciar os factos, ajudou-me a perceber o valor destes momentos vividos em VILA RUIVA e me faz saborear mais e melhor esta aventura da Operação LOW COST 2013, o Magusto Beirão e os Olhares no Douro Superior... foi excitante e enriquecedor.

Mais um encontro único, diferente e cheio de tanta simpatia recíproca.
A todos obrigado, pela companhia e pelas emoções.
Foi muito bom… estar entre pessoas que sabem estar.

 

Nota - Para quem tiver MEO, pode ver o nosso vídeo no MEO Kanal 888882

 

 

Carlos Alberto Santos

KISANJI, QUISSANGE OU TYITANZI, para nós... os que já esqueceram

Alto Chicapa, 11.12.13

Instrumento Musical de Carlos Alberto Santos, adquirido no Alto Chicapa, Angola, 1972

 

(Um texto de Filomena Gomes Camacho, poetisa)

 

A música é uma arte ligada de forma bastante profunda à cultura de muitos povos, chegando mesmo a fazer parte intrínseca de suas vidas. A música tem a sua prática desde a pré-historia. Os sons da natureza talvez tenham, de certa forma, despertado no homem, a vontade ou necessidade de exteriorizar os sentimentos ou estados de alma com manifestações sonoras. Não existem civilizações ou agrupamentos que não possuam seus próprios ritmos e até mesmo seus próprios instrumentos musicais.

 

Nesta minha dissertação sobre música e instrumentos musicais elejo, mais uma vez, Angola, com O KISANJi, QUISSANGE OU TYITANZI, por ser um instrumento aborígene daquele Pais. O fabrico do Kisanji não é dispendioso e o seu transporte é leve. É um companheiro, sempre à mão, nas longas caminhadas…o confidente de aflições, de desejos recalcados, da solidão, da saudade… Este instrumento também é usado como música de fundo nas conversas à volta da fogueira. O som do kisanji parece lúgubre, mas suas notas ecoam fluídas.

 

Em muitos outros Países Africanos existem réplicas, deste instrumento, com bastante similaridade mas com certas diferenças no seu uso e no fabrico. Na África Central e no Congo é chamado de sansa e apenas fabricado com sete lamelas, e colocado numa caixa de ressonância. Em Moçambique é chamado de mbira. Construído por um pedaço de tábua e com uma fileira de quinze lamelas, na parte superior, e sete na parte inferior. Para amplificação do som a mbira é colocada dentro de uma cabaça. Em Uganda é chamado de kalimba ou karimba. Nos Camarões de mamgabeu. Na Serra Leoa por kondi. No Zimbabué por likembe, budongo, mbila e por mbira .

 

A influência africana espalhada no Brasil - pelos escravos Angolanos – também levou o kisanji, conhecido pelos Brasileiros por mbira.

 

No ano de 2011, pelo desfile das Misses de Angola, foi escolhido, o kisanji, para representar o património cultural nacional tendo feito ecoar seus acordes durante o desenrolar daquele evento.

 

Filomena Gomes Camacho.

Ex-Militares da 3485 no MEO Kanal

Canal nº 888882 – Ex-Militares da 3485 no MEO Kanal

Pág. 1/2