O momento justifica-o e o objecto da família, Ex-Militares da Companhia de Caçadores 3485, impõe-no. Vamos, todos, contribuir com notícias e estórias do presente e do passado.
Comentar
publicado por Alto Chicapa, em 31.05.14 às 00:01link do post | favorito

Amigo

Quando os olhos cansam,

as pernas dançam,

as peles crescem,

os culhões descem,

o nariz pinga

e a pissa minga…

deixa-te de basófias,

por isso segue este conselho:

 

Aos 20 anos, casado,

não te faltando energia,

podes dar, atesoado,

duas fodinhas por dia.

 

E aos 25, com gana

e robustez natural,

dando sete por semana,

não te deve fazer mal.

 

Mas aos 30 tem cuidado,

e vai poupando o tesão,

fode na cama, deitado,

só dia sim, dia não.

 

E aos 35, pensa

que deves ser mais prudente,

passa a foder por avença,

fode bi-semanalmente.

 

E aos 40, já não deves meter-te em folias:

para não perderes o tesão,

fode de oito em oito dias.

 

Aos 50 marca passo,

embora te cause pena,

fode mais a compasso,

uma só vez por quinzena.

 

E aos 60, é rara a vez

em que se apruma o cacete,

dá uma fodinha por mês,

alternada com minete.

 

E aos 70, toma tato!

Não penses mais em mulheres!

Corta a pissa e dá ao gato

ou leva no cu se quiseres.

 

Bocage

tags:

Comentar
publicado por Alto Chicapa, em 29.05.14 às 22:43link do post | favorito

(Aos Militares que um dia partiram para o Ultramar)

 

 

Carlos, Manuel, José…(não importa o nome) e seus companheiros, foi penetrando para o interior daquele navio enorme, ancorado no rio Tejo.

 

Eram grandes as letras que destacava o nome do paquete: VERA CRUZ.

 

Pouco depois todos se acotovelavam, tentando visualizar o cenário exterior, para acenar à multidão que se distanciava no cais de Lisboa.

VERA CRUZ era, na verdade, um navio enorme, requisitado nos anos de 1961 - tal como outras unidades, da Marinha Mercante Portuguesa, pelo governo português - para transporte de tropas e material bélico com destino ao ultramar. O seu peso bruto era de 21.765 toneladas; o comprimento de 185, 75 metros; a largura de 23 metros; e 15,80 metros de pontal. Atingia a velocidade máxima de 42,6 quilómetros hora, sendo o consumo de combustível – óleo - de 140 toneladas e, diariamente, gastas 200 toneladas de água.

A sua capacidade era para alojar 1.242 passageiros com três classes. No interior havia bares, cinema, jardim de inverno, duas piscinas, hospital, e era equipado com ar condicionado.

 

Carlos – (chamemos-lhe assim) deslumbrava-se com a imponência, com a construção…daquele navio, onde ele agora encetava a viagem que o marcaria para toda a vida…viagem que, praticamente, já havia iniciado desde o dia em que fora mobilizado, agrupado ao batalhão, e lhe fora atribuído um número de registo.

Viagem, praticamente, iniciada desde o dia em que lhe fora ministrado todo o tipo de estratégia - de como sobreviver em África - e quando recebera o camuflado e lhe foram dadas as vacinas… Recordou-se dos dez dias gozados em casa, antes daquela partida, dias concedidos para se despedir da família, dos amigos, arranjar uma madrinha de guerra e fotografar, mentalmente, cada rosto querido, cada lugar do seu lar, da sua cidade. Sentimentos confusos e perturbantes iam-lhe dando a sensação de uma gravata apertada no pescoço. Sentia desejos de chorar. Sentia desamparo, solidão, incerteza… Indubitavelmente, Vera Cruz, ia descrevendo, na sua trajectória, uma rota de ida…

Para quantos dos que, viajavam naquele navio, iria ser apenas a viagem de ida!? Estremeceu! Na sua mente, em turbilhão, as ideias começaram a tumultuar-se! E, num misto de entusiasmo e desânimo…não visualizava senão apreensão! Como gostaria de ter feito aquela viagem programada…desejada… recreativa…como tantas viagens que fizera acompanhado pelos seus pais, familiares, amigos!…

 

Esta era uma viagem diferente!

Não programada…mas imperiosa de ser feita! Não desejada…por ser uma missão perigosa! Não recreativa…pois, a incerteza, era tão patente como o camuflado que envergava!

 

Carlos iniciava a sua carreira militar. Um verdadeiro desafio a nível físico e psicológico! Um trabalho árduo! Uma outra faceta da sua vida!... Uma outra faceta onde iria aprender novas matérias, desenvolver novas capacidades… Ainda que imaginasse um pouco difícil, a adaptação, ao estilo da vida militar…achava-a cheia de experiências verdadeiramente aliciantes! Enfrentar novos desafios, aprender a superar os seus limites, aprender o valor da camaradagem, fazer novas amizades…eram experiências que, esperava, constituírem factores positivos e empolgantes! Viajava com desconhecidos que iriam enfrentar, como ele: desafios, perigos, lutas, adaptações…naquele Pais de proporções enormíssimas (catorze vezes e meia maior que o seu)!

 

Quantos contingentes militares já os haviam antecedido, numa viagem, como aquela, para um fim semelhante, sem que muitos deles tivessem regressado!? Ou regressado com sequelas traumáticas físicas ou emocionais!? Ou regressado sem quaisquer sequelas…para fazerem dissertações de vivências incríveis, de episódios arrepiantes!?

 

Carlos pensava em qual destes quadros se iria agrupar o seu destino... A algazarra dos colegas começava a abafar o barulho suave, mas também medonho, que o navio ia fazendo ao sulcar aquela imensidão de água. Aguas que, reflectindo a cor do céu, dava ideia de chumbo liquido e, junto à proa, uma brancura espumante a contrastar. Permaneceu no convéns, por longo tempo, assim como a maioria de seus companheiros.

 

Carlos imaginava África!... Imaginava a guerra!… O seu contingente seguia rumo à guerra do Ultramar...

 

Carlos deu consigo a arquitectar estratégias. Estratégias que o subtrairiam aos perigos…
Deu consigo a fazer conjecturas de como sobreviver num Pais cheio de leões, leopardos, cobras gigantescas, aranhas enormíssimas, para além de uma guerra sangrenta!...

Aquelas divagações eram balsamo para aquietar suas preocupações, e bálsamo a perspectivar ideias de um regresso heróico, pleno de inúmeras façanhas…façanhas para contar na esplanada do Café, contar aos seus pais, aos conhecidos e desconhecidos…nas esquinas onde o iriam interpelar…na rua… em todo o lugar…
Ah! Quando regressasse!...
Falaria dessa África enigmática!... Não de uma forma inventada mas de uma maneira vivenciada!...
Traria, de lá, a cor com que o sol tórrido iria carimbar a sua pele!
Traria, de lá, um relato empírico dos muitos animais da selva que iria conhecer!
Traria, de lá, a lembrança dos odores e dos sabores da gastronomia Africana que a Europa desconhecia!
A lembrança das paisagens!...
Daquele povo diferente do seu…
Do sotaque desigual…
Das muitas palavras gentílicas…
Na quietude daqueles pensamentos transcorriam quietas, lentas e sem pressa, as horas…como que levadas pelos pés de uma criança.
Um toque de recolher tirou-o das suas cogitações.
Sentiu que umas pequenas gotículas lhe desciam para a comissura dos lábios…
Provou-as.
Era salgado o sabor…
Lágrimas? Salpicos do mar? Foi-lhe indiferente…


Comentar
publicado por Alto Chicapa, em 28.05.14 às 22:42link do post | favorito

 

Organização Virgilio Batista

Fotografias cedidas por Álvaro Marques


Comentar
publicado por Alto Chicapa, em 25.05.14 às 23:39link do post | favorito

Para eles - Entre vitórias e derrotas estrondosas, espelho meu, esquece... as questões insignificantes dos restantes votos. Votos em branco 4.40% Votos nulos 3% Abstenção 66%

 

Para mim - Um dia de vergonha... quando olho para as eleições em França.

 

Carlos Alberto Santos

 


Comentar
publicado por Alto Chicapa, em 24.05.14 às 00:01link do post | favorito

Num Leilão de antiguidades o leiloeiro diz:

- Temos aqui um broche. Feito à mão no ano de 1869. A base de licitação são 600 €. Quem dá mais?

 

De repente levanta-se uma senhora e grita:

- Esse é faaalso!!! Faaalllsssso!!! Se é feito à mão não é broche, é punheta.

tags:

Comentar
publicado por Alto Chicapa, em 22.05.14 às 00:11link do post | favorito

 

Carlos Alberto Santos

 

tags:

Comentar
publicado por Alto Chicapa, em 21.05.14 às 00:37link do post | favorito

 

Ver mais aqui

 

Carlos Alberto Santos


Comentar
publicado por Alto Chicapa, em 19.05.14 às 00:01link do post | favorito

 

Ver mais aqui

 

Carlos Alberto Santos


Comentar
publicado por Alto Chicapa, em 17.05.14 às 00:01link do post | favorito

No metro em hora de ponta diz uma senhora a um cavalheiro:
- Ouça lá, importa-se de afastar do meu rabo essa coisa volumosa? É que já chateia…
Explica o homem:
- Isto não é o que está a pensar. É o meu ordenado em notas, que está enrolado no meu bolso.
E diz a mulher:
- Então o senhor deve ser um empregado exemplar…
Intrigado pergunta o homem:
- Porquê?
E responde a mulher:
- Porque desde que estou aqui, já senti três aumentos salariais!!!

tags:

Comentar
publicado por Alto Chicapa, em 14.05.14 às 00:28link do post | favorito

 

Ver mais aqui

 

Carlos Alberto Santos


Ex-Militares da 3485 no MEO Kanal
Canal nº 888882 – Ex-Militares da 3485 no MEO Kanal
mais sobre mim
Maio 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

15
16

18
20
23

26
27
30


Sala de Leitura
pesquisar
 
subscrever feeds