Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Notícias e Estórias

O momento justifica-o e o objecto da família, Ex-Militares da Companhia de Caçadores 3485, impõe-no. Vamos, todos, contribuir com notícias e estórias do presente e do passado.

Notícias e Estórias

O momento justifica-o e o objecto da família, Ex-Militares da Companhia de Caçadores 3485, impõe-no. Vamos, todos, contribuir com notícias e estórias do presente e do passado.

Os ovos do melro da minha tangerineira

Alto Chicapa, 21.04.20

Num dos meus últimos momentos de escrita (posts) , onde disse: - Desejo que os ovos do melro da minha tangerineira vos tragam muito mais do que a simbologia da época...

O que aconteceu, de seguida?

Ninguém me chamou charlatão (compreendo... estávamos na quaresma!), mas pelas conversas que mantive com alguns, fiquei com a ideia do que vos ia no pensamento... pintar ovos, loja de chineses, um ninho para a fotografia, podias ser mais criativo, onde está o coelho, qualquer dia vai aí um GNR ajudar-te a atravessar a rua, etc.

Verdadeiramente… aconteceu vida!

Vejam nas imagens:

melro1.jpg

Melro2.jpg

Melro3.jpg

Urbanos... estão perdoados!

Com Covid ou sem Covid, sintam aquele meu abraço do tamanho do Chicapa.

Carlos Alberto Santos

www.cc3485.pt

Convívio de S. Martinho de 2019 em Setúbal (15 a 17 de Novembro) – Operação Bocage

Alto Chicapa, 14.04.20

Apesar da distância, desde o Porto e de outras regiões mais a norte, o nosso encontro de São Martinho de 2019, em Setúbal, foi iluminado por vários momentos e com motivos de interesse para diversas sensibilidades.

Sesimbra0.jpg

Um encontro de amigos é a melhor rede social e às vezes é só isto... quando menos se espera, aparece um daqueles momentos que nunca mais se esquece.

Começámos por uma visita ao Palácio da Quinta da Bacalhoa em Azeitão, a antiga Quinta de Vila Fresca, propriedade da Casa Real Portuguesa.

Com mais de 500 anos de história, entre modificações sucessivas, foi uma propriedade desejada por diferentes famílias.

A mais famosa quinta da região devido ao seu rico património de azulejos dos séculos XV e XVI, foi classificada pelo IPPAR em 1996 como Monumento Nacional. Atualmente, pertence à Fundação Berardo, os mesmos donos do Budah Eden, onde já estivemos em convívio.

O palácio restaurado e a coleção de obras de arte não deixaram ninguém indiferente.

Bacalhoa1.jpg

Bacalhoa2.jpg

Bacalhoa3.jpg

Bacalhoa4.jpg

Bacalhoa5.jpg

Bacalhoa6.jpg

Bacalhoa7.jpg

Bacalhoa8.jpg

Bacalhoa9.jpg

Para completar o primeiro dia, o queijo surgiu com apontamentos de requinte.

Durante a visita à Quinta Velha Queijeira de Azeitão, participámos na produção de queijo, com leite de ovelha e flor de cardo, em vez de coalho, e onde também foi bom apreciar os bons produtos do nosso país, entre pão da região, o queijo fresco acabado de fazer, o queijo de Azeitão amanteigado, a compota caseira / chutney e o moscatel de Setúbal.

Quinta Velha1.jpg

Quinta Velha2.jpg

Quinta Velha3.jpg

Quinta Velha4.jpg

Quinta Velha5.jpg

Quinta Velha6.jpg

Na manhã do segundo dia a Vila de Sesimbra presenteou-nos com um mar calmo e azul, que parecia misturar-se com o céu.

Foi no ex-libris da região, o Castelo de Sesimbra, construído pelos mouros e conquistado no início do reino de Portugal, que nos deliciámos com uma envolvência magnífica sobre a vila e uma vista sobre o mar, de cortar a respiração. No seu interior, para além de um café e de um núcleo museológico com artefactos encontrados em todo o concelho de Sesimbra, há uma igreja marco da reconquista cristã de Dom Afonso Henriques, a Igreja de Nossa Senhora da Consolação, com um altar muito bonito e paredes revestidas a painéis de azulejos azuis e brancos, magníficos.

No entanto, ainda entre aquelas muralhas, um espetáculo triste… um cemitério num estado lastimável e desprezado.

Depois… a Serra da Arrábida com paisagens lindas entre pequenos miradouros para contemplar o estuário do rio sado, a tranquilidade das praias e a península de Troia.

Terminámos a manhã no afamado mercado do livramento entre peixe de excelência, frutas, legumes, paredes cobertas de azulejos, que retratam cenas da vida, da pesca e da agricultura, e a nossa animação bem na essência do nosso grupo de amigos.

Sesimbra1.jpg

Sesimbra2.jpg

Sesimbra3.jpg

Sesimbra4.jpg

Sesimbra5.jpg

Arrabida1.jpg

Arrabida2.jpg

Livramento1.jpg

Livramento2.jpg

Livramento3.jpg

Livramento4.jpg

Livramento5.jpg

Livramento6.jpg

A melhor forma de conhecer e visitar os pontos de interesse turístico na cidade de Setúbal foi andar a pé.

A Praça do Bocage, inserida na baixa, é o local mais central e obrigatório para se iniciar uma visita. A estátua, de Manuel Maria Barbosa du Bocage, poeta nascido em 1765, os Paços do Concelho e a Igreja de São Julião.

Setubal1.jpg

Setubal2.jpg

Setubal3.jpg

Depois foi o roteiro até à Casa museu Bocage, num bairro histórico, para descobrirmos o pensamento do poeta e a sua época. No percurso passámos pelo Museu do Trabalho e subimos ao miradouro virado ao mar e ao rio Sado.

A Casa Museu, um local de inspiração, de documentação histórica e literária acolheu-nos com bons momentos de leitura de poemas do poeta.

Bocage1.jpg

Bocage2.jpg

Bocage3.jpg

Um dos livros mais polémicos da literatura portuguesa, as “Poesias Eróticas, Burlescas e Satíricas”, de Bocage, é uma antologia poética que retrata a faceta mais excêntrica do poeta português.

Poesia-Erotica-capa.png

Podem obter o livro AQUI (uma oferta Luso Livros)

Seguiu-se um passeio pela avenida Luísa Todi, a mais célebre da cidade e um dos principais pontos turístico da cidade de Setúbal (homenageia a cantora lírica Luísa Todi nascida na cidade no séc. XVIII).

Depois de uma visita a uma exposição de pintura na Galeria de Pintura Quinhentista, fomos terminar o dia num restaurante local, com uma noite de fados, entre choco frito, castanhas e água-pé.

Quinhentista1.jpg

Quinhentista2.jpg

Fados1.jpg

Fados2.jpg

Setubal4.jpg

Ao terceiro dia, domingo, durante a partida em direção ao Castelo de Palmela a chuva foi a nossa companhia, mais exigente, nem D. Afonso Henriques, em 1147 o foi.

Chegados ao Castelo, que foi recuperado por D. Sancho I, a primeira vista, de cima das muralhas, é sobre a vila de Palmela e a sua igreja matriz. Mais à frente lá estavam Setúbal e Troia, igualmente lindas apesar da chuva. Do lado norte, o rio Tejo e a cidade de Lisboa.

Conta a história de Portugal: - Durante as invasões mouras, os soldados portugueses acendiam fogueiras no castelo sinalizando a invasão e consequentemente antecipavam a defesa da cidade de Lisboa.

Palmela1.jpg

Palmela2.jpg

Palmela3.jpg

Palmela4.jpg

Palmela5.jpg

Palmela6.jpg

Na reta final do nosso Encontro de São Martinho, regressámos a Lisboa, para antes do almoço no Parque das Nações, realizarmos uma visita panorâmica pela cidade, entre a Torre de Belém e a Baixa Pombalina.

lisboa1.jpg

lisboa2.jpg

lisboa3.jpg

lisboa4.jpg

Vídeo

 

Carlos Alberto Santos

www.cc3485.pt

A última semana da Quaresma, conhecida como Semana Santa

Alto Chicapa, 09.04.20

Com tantos dias de quarentena no mundo, seria bom que "todos" conseguissem entender estes ensinamentos, que a vida nos proporciona.

Perante isto, encontrem o engenho e a capacidade de recomeçar, de respeitar o próximo, a biodiversidade, o equilíbrio da natureza ou de, pelo menos, se esforçarem por viver em harmonia e sem egoísmos entre lugares, ideias, povos, credos, políticas ou raças.

Desejo que este vírus seja apenas o melhor ensino intensivo à distância e agora presencial de que, há muito tempo, a nossa sociedade parecia carenciada. É o mais importante dos exames das nossas vidas. Espero que nos transforme e nos torne mais racionais nas decisões sobre as urgências económicas, sobre o canibalismo dos mercados e, porque não, do facilitismo com que brindamos os nossos filhos... entre outros, como o novo sentimento ou a instituição do "descartável".

Acreditem, também: - Tudo, está lá, nas empresas. Não houve nenhuma guerra destruidora. A economia, os mercados, o ensino, o lazer e os outros podem recomeçar, mais tarde ou mais cedo... ou de uma forma egoísta e/ ou apressada e/ ou mais calculada... a saúde, essa, raramente se refaz totalmente e sem cicatrizes.

Desejo que os ovos do melro da minha tangerineira vos tragam muito mais do que a simbologia da época. Saúde, felicidade e compreensão.

ovos.jpgTambém quero, que sintam aquele meu abraço do tamanho do Chicapa e que o dia de Páscoa vos traga um pouco de alegria.

Carlos Alberto Santos

www.cc3485.pt

Ex-Militares da 3485 no MEO Kanal

Canal nº 888882 – Ex-Militares da 3485 no MEO Kanal