Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Notícias e Estórias

O momento justifica-o e o objecto da família, Ex-Militares da Companhia de Caçadores 3485, impõe-no. Vamos, todos, contribuir com notícias e estórias do presente e do passado.

Notícias e Estórias

O momento justifica-o e o objecto da família, Ex-Militares da Companhia de Caçadores 3485, impõe-no. Vamos, todos, contribuir com notícias e estórias do presente e do passado.

Troço ferroviário Munhango-Luena

Alto Chicapa, 26.02.09

 

Luena – A reabilitação do troço ferroviário entre Munhango (Bié) e o Luau (Moxico) iniciou-se esta semana com a preparação da base para aplicação dos carris - constatou a Angop.

 

Iniciada na localidade de Chicala, 35 quilómetros da cidade do Luena, a empreitada envolve 300 técnicos chineses e igual número de jovens angolanos que manejam máquinas e camiões basculantes para remoção da antiga brita e arrumação de uma nova base de terra.

 

O chefe da empreiteira chinesa "CR-20", Zhang Li Jun, disse à Angop que até Maio de 2010 será concluída a reposição dos carris e o primeiro comboio poderá chegar ao Luena, para, no final do mesmo ano, atingir a estação do Luau, município angolano fronteiriço a República Democrática do Congo.

 

O responsável da empresa encarregue da reabilitação dos 500 quilómetros do troço Munhango – Luau, do Caminho-de-Ferro de Benguela (CFB), adiantou que o comboio inaugural de passageiros de Lobito até Luau só acontecerá em 2011.

 

Disse que este trabalho foi antecedido, desde Setembro de 2008 até Janeiro último, da remoção dos antigos carris e brita em alguns troços, montagem da fábrica de travessas metálicas e produção de brita (na comuna de Liangongo, município do Léua), construção de estaleiros e abertura de picada ao longo do caminho-de-ferro.

 

O supervisor provincial do Instituto Nacional de Desminagem (INAD) no Moxico, Manuel Adolfo Tchipaca “Dodó”, disse que os trabalhos para a remoção de minas e outras armadilhas explosivas no trilho estão avançados, apesar de algumas dificuldades de carácter técnico, principalmente nesta época chuvosa.

As equipas de sapadores do INAD e da Brigada de Engenharia das Forças Armadas Angolanas (FAA) estão empenhadas na remoção das minas e outros engenhos não detonados para garantir a execução da empreitada - sublinhou.

 

O Governo angolano investiu um bilião e 800 milhões de dólares na reparação do troço ferroviário, que contempla também a construção de pontes e 16 estações de comboios com capacidade de manuseio de mais 100 toneladas de carga por dia.

 

A aposta na reabilitação do CFB, segundo agentes económicos locais, vai impulsionar o desenvolvimento das regiões centro e leste do país, bem como fortificar a integração regional dentro da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), pelo facto da linha ligar mais três países: (RD Congo, Zâmbia e Zimbabwé).

 

Com mil e 301 quilómetros, o CFB, com mais de 100 anos de existência, é a única ligação ferroviária da África Central ao Atlântico e a sua construção teve início a 01 de Março de 1903, com base em um decreto de Agosto de 1899 da autoridade colonial portuguesa. A linha ficou concluída a 02 de Fevereiro de 1929.

A 10 de Junho de 1931 chegou ao porto do Lobito o primeiro carregamento de cobre da Katanga. Em função do seu papel, as autoridades daqueles países já mostraram, inúmeras vezes, o interesse da reabilitação urgente do CFB.

 

 

Notícia Angop

Transcrita por Carlos Alberto Santos

 

Ex-Militares da 3485 no MEO Kanal

Canal nº 888882 – Ex-Militares da 3485 no MEO Kanal

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.