Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Notícias e Estórias

O momento justifica-o e o objecto da família, Ex-Militares da Companhia de Caçadores 3485, impõe-no. Vamos, todos, contribuir com notícias e estórias do presente e do passado.

Notícias e Estórias

O momento justifica-o e o objecto da família, Ex-Militares da Companhia de Caçadores 3485, impõe-no. Vamos, todos, contribuir com notícias e estórias do presente e do passado.

Meio século depois... da viagem dos grandes choques de realidade para duas centenas de voluntários à força em Angola

Alto Chicapa, 28.01.21

Praticamente, meio século depois…

Ponte_Lima11.jpg

Ao meio-dia de um sábado, sempre o primeiro depois do dia 15 de Maio, num restaurante da região do organizador (Lisboa, Braga, Fátima, Peniche, Porto-São Félix, Santarém, Viseu, Batalha, Évora, Alenquer, Arouca, Paredes, São João da Pesqueira, Ponte de Lima, Caldas da Rainha, Sta. Maria da Feira, Alpedrinha, Cascais, Barcelos, Vimioso, A Ver-o-Mar), juntam-se algumas dezenas de homens e mulheres com idades próximas, muitos já na “casa” dos 70… outros mais novos… descendentes, filhos e netos, num ritual ansiado.

O ambiente é de alegre convívio, entre a cerimoniosa presença das esposas rejuvenescidas e a camaradagem barulhenta dos homens.

As mulheres relembram, mais um ano que passou, os novos descendentes… perguntam pela família e pelas novidades.

Os homens juntam-se em grupos, riem, falam alto e distribuem abraços com palmadas nas costas.

Quem está de fora, nem sempre consegue compreender este tipo de concentração de pessoas. Umas de roupas domingueiras e outras informais, como num dia normal.

Apesar da nossa dispersão geográfica, entre Norte, Centro e Sul de Portugal, que separa as nossas vidas... a camaradagem dos tempos de guerra constitui o motivo para que uma vez por ano haja uma viagem no país e no tempo e com horas de recordações, que pertencem a todos com a comemoração na continuidade entre o passado e o presente.

Depois dos fartos aperitivos… sem mesas reservadas… há quem guarde o lugar para a esposa e descendentes e na mesa ao lado, para os amigos convidados. Há grupos no feminino, as “militaras” que se tornaram amigas ao longo dos anos e se juntam entre si.

O almoço convívio, pelo ambiente e pela variedade da comida, parece um casamento… mas é um encontro de camaradas, ex-combatentes na guerra de guerrilha em África, que se juntam e se revêm durante uma tarde à volta do prazer da mesa.

São os encontros anuais, da Companhia 3485 do Batalhão 3870, que acontecem com regularidade desde o nosso regresso de Angola, em Junho de 1974.

O Batalhão 3870 foi mobilizado em Julho de 1971. Constituído por uma Companhia de Comando e Serviços e quatro Companhias Operacionais, num total de 1100 (?) homens. No entanto, foi só em Novembro e no Campo Militar de Santa Margarida que se juntaram os restantes militares das especialidades para o embarque em Fevereiro de 1972.

Todos os anos há um bolo com o brasão de armas da Companhia e um brinde com espumante para todos, os que estão e os que não podem estar presentes. É também neste momento que se escolhe o responsável pela organização do próximo encontro / convívio, a quem cabe, sem oposição, toda a logística, na escolha da região, do restaurante, da ementa e do envio dos convites.

Estes (re) encontros nasceram da teimosia e determinação de um pequeno grupo de camaradas que decidiram ter chegado o momento de reunir a Companhia 3485. Com a lista dos nomes à data da incorporação, iniciou-se, entre telefonemas, viagens a aldeias e conversas com vizinhos, o processo de localização dos antigos companheiros de armas. Alguns, nunca foram encontrados.

A primeira vez que revi ex-companheiros, olhei, olhei… para muitos foram precisas pistas… não conheces o Freitas? És tu castiço! São tantos anos… no entanto, outros não tinham mudado nada, não havia engano possível.

Apesar das roupas civis, de agora, que podem denunciar a proveniência de cada um… os uniformes, de então, que distinguiam apenas a hierarquia militar, constituíam um nivelador social sem precedentes nas nossas vidas, que perdura até aos dias de hoje.

De um momento para o outro, o salão converte-se num espaço de festa… dançam e cantam os temas. Os que fumam aproveitam para vir até à rua ou simplesmente falar das suas vidas, do tempo que passou, de camaradas falecidos e dos que ainda são procurados, na tentativa de os juntar. Mas há também quem relembre velhas histórias de Angola… as que merecem ser lembradas, num tom geral de boa disposição.

É desta forma que as memórias da guerra no Leste ou na Lunda, entre 1972 e 1974, se reconstituem no presente com os episódios vividos há meio século, entre os valores da camaradagem e os acasos, de sorte ou azar.

foto 6

Ao longo do ano… noutros convívios, que também nos levam a viajar e não só no tempo… desfrutamos em proximidade e durante mais tempo a amizade, que perdura no inédito e num prazer diferente por Espanha, França, Marrocos, Açores, Checoslováquia, Eslováquia, Hungria, Bulgária, Roménia... ou a conviver e a partilhar os momentos... num fim de semana de passeios (Coimbra, Serra da Estrela, Óbidos, Foz Coa, Lisboa, Viana do Castelo, Castelo de Vide, Évora, Chaves), celebrando as castanhas e o São Martinho.

O guião dos convívios repete-se ano após ano sem grandes surpresas. Antes de começar, a festa já acontece nos pontos de encontro, antes de um almoço anual, num aeroporto ou num hotel para um fim-de-semana de passeios.

Há de tudo, num ruidoso aquecimento… conversas, alegria, anedotas, cantorias, os beijinhos do Chumbinho e a poesia do “Manel” Esteves, onde é declamada aquela solidão do destacamento militar no meio de nada, só selva Africana… hoje há a comemoração partilhada do passado com a “outra família”, que a guerra construiu numa situação de violência, doenças e dependência mútua.

Naquele tempo não se fazia a guerra sozinho… é essa a imagem que eu ainda tenho e que não se apaga… a proximidade dos outros.

Hoje estou a escrever, porque um de vós estava perto de mim.

Sem passarmos a linha, que separa o que deve ser lembrado e o que deve ser esquecido… quando nos juntamos, o tempo da guerrilha renova-se… era o isolamento, a tensão em terra hostil e as aventuras num mundo diferente, que se descobria.

Aqui e ali, vai-se ouvindo: RECORDAS-TE?

DE LUANDA… uma cidade alegre, elegante, ao mesmo tempo antiga e moderna. Bebia-se uma cerveja e vinha logo um pires de camarão! Quando vinham canecas, era uma barrigada de marisco. Os arredores, com os musseques muito pobres e cheios de barracas de madeira e de chapas e ruas com esgotos a céu aberto. Um mundo incrível.

E… a “avenida” da prostituição. Porta sim, porta não, ao postigo ou sentadas à entrada a oferecerem-se, como mercadoria. Nunca pensei que fosse possível existir uma “coisa” assim.

DAQUELE HORIZONTE… mata, só mata, tudo primitivo e praticamente sem presença humana… os rios e as suas enormes chanas, as aldeias a horas de distância e a população a partilhar só o que a natureza lhes dava.

DAQUELA CULTURA… gostava do ambiente entre palhotas, as fogueiras, o pirão e o cheiro à mandioca… perdia-me a ver aqueles rituais fascinantes, mas também os havia de horror… tão diferente da nossa terra.

DAS PICADAS… para mim, eram uma tortura. A tensão era enorme, estava sempre à espera de levar um tiro nos cornos ou, então, de não chegar a ouvir o estoiro da mina debaixo da Berliet.

DO DESTACAMENTO DO CANAGE… impossível esquecer. Quando não estávamos de serviço, a fazer segurança ou em proteção, andávamos de camisola ou em tronco nu a banhos no rio… e a comida… um sabor! Apetecia mesmo!

Apesar do inimigo estar ali connosco, aquilo era um paraíso… foram os melhores dias… não havia formaturas e quando havia descanso ninguém inventava qualquer coisa para fazer. Ajudou a matar as saudades de casa e da família.

… DOS GE’s… só me lembro, que havia qualquer coisa estranha neles. Passavam semanas na mata, desenfiados, e ninguém sabia por onde andavam. Sempre achei, que a qualquer momento podia haver a possibilidade de inversão das lealdades. Afinal, era a pátria deles!

De quem não gostava mesmo, era dos Cipaios e até das Milícias, também. Um dia vi-os, junto à casa do Chefe de Posto, em círculo, a espancarem uma mulher, que não conseguia fugir. Naquele momento senti revolta e vergonha. Hoje compreendo melhor a situação das mentalidades de “pretos e brancos”, à época.

NO QUARTEL… o isolamento era enorme. Depois de meses seguidos sem sair, a ouvir as mesmas conversas e a ver as mesmas caras, a impaciência instalava-se… a mesma rotina, mês após mês. Era muito difícil… para não entrar em loucura, muitas vezes às sete da tarde já estava na cama.

DA CHEGADA DO CORREIO… a chegada do correio era a bênção da família. Depois íamos para a caserna ler, ler e reler num grande silêncio… mas também havia, os que não se interessavam. Um dia o Axx vira-se para um conterrâneo… a minha mãe diz aqui no aerograma, que a tua namorada anda com o filho da Carolina… apesar do silêncio, veio logo outro, em cima: Ai a grande vaca, pôs-te os cornos… risos, gargalhadas e uma festa do “carago”!

A tropa acabou por ser boa, abriu-me os olhos. Quando cheguei a Angola, eu era um inocente.

DOS BATUQUES… eram uma maravilha de sons e de danças. Assisti às batucadas quando um morre. Aquilo era uma festa, comiam, bebiam e dançavam toda a noite. Eram velhos, novos e até mulheres com miúdos às costas.

Militares cc3485 Combate

s quimbo

vacinas angola.jpg

O que acabei de escrever em plena Pandemia (Janeiro de 2021) são apenas alguns fragmentos de um passado distante, escutado nos convívios e que cada um dos intervenientes ainda recorda com um olhar retrospetivo e reconstruido.

Não quis ser exaustivo, mas as memórias e os episódios repetem-se nos convívios, ano após ano… por vezes, apenas na troca de versões do mesmo acontecimento.

Apesar de tudo, os temas são consensuais.

A maioria das recordações, estão quase sempre concentradas na descoberta da cidade de Luanda, na vida das aldeias (quimbos), na entrega das roupas à lavadeira e nos namoros (muitos), nas viagens em picada, nos banhos de rio, nas noites de batuque e na nossa vida no meio do “inimigo, com duas faces”. Só depois, vem a saudade, a tensão, o medo das minas e das emboscadas, a rotina no quartel, as aventuras no desconhecido e os horizontes de mata.

Este texto com a disciplina do tempo passado e presente, foi o último de seis temas.

Tal como os anteriores, é mais um testemunho para a História, mas também um sinal à sociedade política, que ainda se envergonha daqueles que um dia chamou à pressa para combater.

Foi desta forma, que decidi reviver o passado, entre sentimentos de revolta e saudade, mas também de repúdio, pela juventude perdida numa guerra inútil, pelo patético discurso ouvido no Alto Chicapa, em finais de 1973 e pelas decisões desumanas, desastrosas e precipitadas, na quebra unilateral de acordos, que potenciaram ataques indiscriminados pela UNITA e MPLA às NT (nossas tropas) e abriram o caminho à Guerra Civil em Angola.

Para terminar, resta-me mencionar a minha eterna gratidão para com os meus camaradas de armas. Com eles, contínuo em divida pelos dois anos e meio de convivência, pela amizade desinteressada e, sobretudo, pela solidariedade nos momentos improváveis e difíceis.

Sem aquela partilha de esforços e de sacrifício, todos os obstáculos seriam intransponíveis.

 

"O valor das coisas não está no tempo que elas duram,

mas na intensidade com que acontecem. Por isso,

existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis

e pessoas incomparáveis".

Fernando Pessoa

 

Aquele abraço, do tamanho do Chicapa.

Carlos Alberto Santos

 
 

 

 
 
 
 
 

Ex-Militares da 3485 no MEO Kanal

Canal nº 888882 – Ex-Militares da 3485 no MEO Kanal

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Alto Chicapa 08.02.2021

    Hoje, ainda tenho o hábito de virar botas e sapatos de "boca" para baixo antes de os calçar.
    No Cansage / Sacassange, só por um acaso ouvi um ruído estranho no interior da bota... era um bem gordo. Não teve tempo de me picar.
    Obrigado pela recordação... o meu, já estava esquecido, talvez porque não me mordeu!
    O Boavida também me conta, que andei durante dias a dormir por cima de uma cobra, mas não me lembro de nada...
    Um abraço.
    Carlos Alberto Santos
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.