Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Notícias e Estórias

O momento justifica-o e o objecto da família, Ex-Militares da Companhia de Caçadores 3485, impõe-no. Vamos, todos, contribuir com notícias e estórias do presente e do passado.

Notícias e Estórias

O momento justifica-o e o objecto da família, Ex-Militares da Companhia de Caçadores 3485, impõe-no. Vamos, todos, contribuir com notícias e estórias do presente e do passado.

Meio século depois... da viagem dos grandes choques de realidade para duas centenas de voluntários à força em Angola

Alto Chicapa, 28.01.21

Praticamente, meio século depois…

Ponte_Lima11.jpg

Ao meio-dia de um sábado, sempre o primeiro depois do dia 15 de Maio, num restaurante da região do organizador (Lisboa, Braga, Fátima, Peniche, Porto-São Félix, Santarém, Viseu, Batalha, Évora, Alenquer, Arouca, Paredes, São João da Pesqueira, Ponte de Lima, Caldas da Rainha, Sta. Maria da Feira, Alpedrinha, Cascais, Barcelos, Vimioso, A Ver-o-Mar), juntam-se algumas dezenas de homens e mulheres com idades próximas, muitos já na “casa” dos 70… outros mais novos… descendentes, filhos e netos, num ritual ansiado.

O ambiente é de alegre convívio, entre a cerimoniosa presença das esposas rejuvenescidas e a camaradagem barulhenta dos homens.

As mulheres relembram, mais um ano que passou, os novos descendentes… perguntam pela família e pelas novidades.

Os homens juntam-se em grupos, riem, falam alto e distribuem abraços com palmadas nas costas.

Quem está de fora, nem sempre consegue compreender este tipo de concentração de pessoas. Umas de roupas domingueiras e outras informais, como num dia normal.

Apesar da nossa dispersão geográfica, entre Norte, Centro e Sul de Portugal, que separa as nossas vidas... a camaradagem dos tempos de guerra constitui o motivo para que uma vez por ano haja uma viagem no país e no tempo e com horas de recordações, que pertencem a todos com a comemoração na continuidade entre o passado e o presente.

Depois dos fartos aperitivos… sem mesas reservadas… há quem guarde o lugar para a esposa e descendentes e na mesa ao lado, para os amigos convidados. Há grupos no feminino, as “militaras” que se tornaram amigas ao longo dos anos e se juntam entre si.

O almoço convívio, pelo ambiente e pela variedade da comida, parece um casamento… mas é um encontro de camaradas, ex-combatentes na guerra de guerrilha em África, que se juntam e se revêm durante uma tarde à volta do prazer da mesa.

São os encontros anuais, da Companhia 3485 do Batalhão 3870, que acontecem com regularidade desde o nosso regresso de Angola, em Junho de 1974.

O Batalhão 3870 foi mobilizado em Julho de 1971. Constituído por uma Companhia de Comando e Serviços e quatro Companhias Operacionais, num total de 1100 (?) homens. No entanto, foi só em Novembro e no Campo Militar de Santa Margarida que se juntaram os restantes militares das especialidades para o embarque em Fevereiro de 1972.

Todos os anos há um bolo com o brasão de armas da Companhia e um brinde com espumante para todos, os que estão e os que não podem estar presentes. É também neste momento que se escolhe o responsável pela organização do próximo encontro / convívio, a quem cabe, sem oposição, toda a logística, na escolha da região, do restaurante, da ementa e do envio dos convites.

Estes (re) encontros nasceram da teimosia e determinação de um pequeno grupo de camaradas que decidiram ter chegado o momento de reunir a Companhia 3485. Com a lista dos nomes à data da incorporação, iniciou-se, entre telefonemas, viagens a aldeias e conversas com vizinhos, o processo de localização dos antigos companheiros de armas. Alguns, nunca foram encontrados.

A primeira vez que revi ex-companheiros, olhei, olhei… para muitos foram precisas pistas… não conheces o Freitas? És tu castiço! São tantos anos… no entanto, outros não tinham mudado nada, não havia engano possível.

Apesar das roupas civis, de agora, que podem denunciar a proveniência de cada um… os uniformes, de então, que distinguiam apenas a hierarquia militar, constituíam um nivelador social sem precedentes nas nossas vidas, que perdura até aos dias de hoje.

De um momento para o outro, o salão converte-se num espaço de festa… dançam e cantam os temas. Os que fumam aproveitam para vir até à rua ou simplesmente falar das suas vidas, do tempo que passou, de camaradas falecidos e dos que ainda são procurados, na tentativa de os juntar. Mas há também quem relembre velhas histórias de Angola… as que merecem ser lembradas, num tom geral de boa disposição.

É desta forma que as memórias da guerra no Leste ou na Lunda, entre 1972 e 1974, se reconstituem no presente com os episódios vividos há meio século, entre os valores da camaradagem e os acasos, de sorte ou azar.

foto 6

Ao longo do ano… noutros convívios, que também nos levam a viajar e não só no tempo… desfrutamos em proximidade e durante mais tempo a amizade, que perdura no inédito e num prazer diferente por Espanha, França, Marrocos, Açores, Checoslováquia, Eslováquia, Hungria, Bulgária, Roménia... ou a conviver e a partilhar os momentos... num fim de semana de passeios (Coimbra, Serra da Estrela, Óbidos, Foz Coa, Lisboa, Viana do Castelo, Castelo de Vide, Évora, Chaves), celebrando as castanhas e o São Martinho.

O guião dos convívios repete-se ano após ano sem grandes surpresas. Antes de começar, a festa já acontece nos pontos de encontro, antes de um almoço anual, num aeroporto ou num hotel para um fim-de-semana de passeios.

Há de tudo, num ruidoso aquecimento… conversas, alegria, anedotas, cantorias, os beijinhos do Chumbinho e a poesia do “Manel” Esteves, onde é declamada aquela solidão do destacamento militar no meio de nada, só selva Africana… hoje há a comemoração partilhada do passado com a “outra família”, que a guerra construiu numa situação de violência, doenças e dependência mútua.

Naquele tempo não se fazia a guerra sozinho… é essa a imagem que eu ainda tenho e que não se apaga… a proximidade dos outros.

Hoje estou a escrever, porque um de vós estava perto de mim.

Sem passarmos a linha, que separa o que deve ser lembrado e o que deve ser esquecido… quando nos juntamos, o tempo da guerrilha renova-se… era o isolamento, a tensão em terra hostil e as aventuras num mundo diferente, que se descobria.

Aqui e ali, vai-se ouvindo: RECORDAS-TE?

DE LUANDA… uma cidade alegre, elegante, ao mesmo tempo antiga e moderna. Bebia-se uma cerveja e vinha logo um pires de camarão! Quando vinham canecas, era uma barrigada de marisco. Os arredores, com os musseques muito pobres e cheios de barracas de madeira e de chapas e ruas com esgotos a céu aberto. Um mundo incrível.

E… a “avenida” da prostituição. Porta sim, porta não, ao postigo ou sentadas à entrada a oferecerem-se, como mercadoria. Nunca pensei que fosse possível existir uma “coisa” assim.

DAQUELE HORIZONTE… mata, só mata, tudo primitivo e praticamente sem presença humana… os rios e as suas enormes chanas, as aldeias a horas de distância e a população a partilhar só o que a natureza lhes dava.

DAQUELA CULTURA… gostava do ambiente entre palhotas, as fogueiras, o pirão e o cheiro à mandioca… perdia-me a ver aqueles rituais fascinantes, mas também os havia de horror… tão diferente da nossa terra.

DAS PICADAS… para mim, eram uma tortura. A tensão era enorme, estava sempre à espera de levar um tiro nos cornos ou, então, de não chegar a ouvir o estoiro da mina debaixo da Berliet.

DO DESTACAMENTO DO CANAGE… impossível esquecer. Quando não estávamos de serviço, a fazer segurança ou em proteção, andávamos de camisola ou em tronco nu a banhos no rio… e a comida… um sabor! Apetecia mesmo!

Apesar do inimigo estar ali connosco, aquilo era um paraíso… foram os melhores dias… não havia formaturas e quando havia descanso ninguém inventava qualquer coisa para fazer. Ajudou a matar as saudades de casa e da família.

… DOS GE’s… só me lembro, que havia qualquer coisa estranha neles. Passavam semanas na mata, desenfiados, e ninguém sabia por onde andavam. Sempre achei, que a qualquer momento podia haver a possibilidade de inversão das lealdades. Afinal, era a pátria deles!

De quem não gostava mesmo, era dos Cipaios e até das Milícias, também. Um dia vi-os, junto à casa do Chefe de Posto, em círculo, a espancarem uma mulher, que não conseguia fugir. Naquele momento senti revolta e vergonha. Hoje compreendo melhor a situação das mentalidades de “pretos e brancos”, à época.

NO QUARTEL… o isolamento era enorme. Depois de meses seguidos sem sair, a ouvir as mesmas conversas e a ver as mesmas caras, a impaciência instalava-se… a mesma rotina, mês após mês. Era muito difícil… para não entrar em loucura, muitas vezes às sete da tarde já estava na cama.

DA CHEGADA DO CORREIO… a chegada do correio era a bênção da família. Depois íamos para a caserna ler, ler e reler num grande silêncio… mas também havia, os que não se interessavam. Um dia o Axx vira-se para um conterrâneo… a minha mãe diz aqui no aerograma, que a tua namorada anda com o filho da Carolina… apesar do silêncio, veio logo outro, em cima: Ai a grande vaca, pôs-te os cornos… risos, gargalhadas e uma festa do “carago”!

A tropa acabou por ser boa, abriu-me os olhos. Quando cheguei a Angola, eu era um inocente.

DOS BATUQUES… eram uma maravilha de sons e de danças. Assisti às batucadas quando um morre. Aquilo era uma festa, comiam, bebiam e dançavam toda a noite. Eram velhos, novos e até mulheres com miúdos às costas.

Militares cc3485 Combate

s quimbo

vacinas angola.jpg

O que acabei de escrever em plena Pandemia (Janeiro de 2021) são apenas alguns fragmentos de um passado distante, escutado nos convívios e que cada um dos intervenientes ainda recorda com um olhar retrospetivo e reconstruido.

Não quis ser exaustivo, mas as memórias e os episódios repetem-se nos convívios, ano após ano… por vezes, apenas na troca de versões do mesmo acontecimento.

Apesar de tudo, os temas são consensuais.

A maioria das recordações, estão quase sempre concentradas na descoberta da cidade de Luanda, na vida das aldeias (quimbos), na entrega das roupas à lavadeira e nos namoros (muitos), nas viagens em picada, nos banhos de rio, nas noites de batuque e na nossa vida no meio do “inimigo, com duas faces”. Só depois, vem a saudade, a tensão, o medo das minas e das emboscadas, a rotina no quartel, as aventuras no desconhecido e os horizontes de mata.

Este texto com a disciplina do tempo passado e presente, foi o último de seis temas.

Tal como os anteriores, é mais um testemunho para a História, mas também um sinal à sociedade política, que ainda se envergonha daqueles que um dia chamou à pressa para combater.

Foi desta forma, que decidi reviver o passado, entre sentimentos de revolta e saudade, mas também de repúdio, pela juventude perdida numa guerra inútil, pelo patético discurso ouvido no Alto Chicapa, em finais de 1973 e pelas decisões desumanas, desastrosas e precipitadas, na quebra unilateral de acordos, que potenciaram ataques indiscriminados pela UNITA e MPLA às NT (nossas tropas) e abriram o caminho à Guerra Civil em Angola.

Para terminar, resta-me mencionar a minha eterna gratidão para com os meus camaradas de armas. Com eles, contínuo em divida pelos dois anos e meio de convivência, pela amizade desinteressada e, sobretudo, pela solidariedade nos momentos improváveis e difíceis.

Sem aquela partilha de esforços e de sacrifício, todos os obstáculos seriam intransponíveis.

 

"O valor das coisas não está no tempo que elas duram,

mas na intensidade com que acontecem. Por isso,

existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis

e pessoas incomparáveis".

Fernando Pessoa

 

Aquele abraço, do tamanho do Chicapa.

Carlos Alberto Santos

 
 

 

 
 
 
 
 

Dia da Fotografia

Alto Chicapa, 19.08.11

Agradeço a todos os que me visitam.

 

Cada visita é um ensinamento.

 

São…  as palavras transformadas em silêncios, frases, poemas, imagens ou pinturas… tudo tão perfeito, que me alimentam.

 

São…  as palavras, plenas de simpatia, que me presenteiam, quase sempre, naquele telefonema inesperado.

 

Hoje, no dia da fotografia, quero homenagear todos aqueles, que neste sítio, fazem das suas fotografias, de ontem ou de hoje, uma companhia e uma recordação para os dias de solidão ou de alegria, e, principalmente, quando se convive silenciosamente com o olhar e com tudo e todos os que passam por nós.

 

Obrigado a todos.

 

Rio Cuango - Angola - Alto Chicapa (Novembro 1974)

 

Almoço / Convívio em Alpedrinha (Maio 2011)

 

Carlos Alberto Santos

 

Censos 2011

Alto Chicapa, 07.03.11

E-Censos 2011 é o website onde os cidadãos residentes em Portugal podem responder aos inquéritos dos Censos 2011. Está disponível no site censos2011.ine.pt, do Instituto Nacional de Estatística.

 

Os Censos 2011 decorrem durante os meses de Março e Abril. Pela primeira vez em Portugal é possível responder aos Censos através da Internet. Consultem os inquéritos online no site censos2011.ine.pt

 

Carlos Alberto Santos

 

Paris

Alto Chicapa, 30.01.11

Não vamos a Paris, mas todos podem visitar esta bela cidade e ver numa única imagem todos os famosos monumentos: a torre Eiffel, o Louvre, o Beaubourg, Notre Dame de Paris e muitos mais.

 

Graças a uma espantoso zoom de profundidade, os mais pequenos detalhes de monumentos de Paris estão ao vosso alcance.

 

É de tal forma pormenorizado (ver aqui)...

 

Carlos Alberto Santos

 

Acordo ortográfico

Alto Chicapa, 13.12.10

O Conselho de Ministros aprovou o calendário para a adopção do novo acordo ortográfico.

 

Nas escolas, as novas regras da língua portuguesa entram em vigor no próximo ano lectivo.

 

Na Administração Pública, já a partir de Janeiro.

 

Na mesma resolução foi adoptado o Vocabulário Ortográfico do Português, produzido em conformidade com o Acordo Ortográfico e definido o Lince como ferramenta de conversão ortográfica de texto para a nova grafia.

 

Ambas as ferramentas, desenvolvidas pelo Instituto de Linguística Teórica e Computacional, estão disponíveis online no Portal da Língua Portuguesa (ler mais).

 

Carlos Alberto Santos

 

Operação NON STOP 2010

Alto Chicapa, 18.11.10

Quando se partilham as oportunidades com os amigos os momentos multiplicam-se.

A vida é feita de momentos, alguns são apagados, levados pelas ondas da vida, outros ficam, perduram na nossa memória e fazem de nós o que somos, olhares, vivências, recordações e saudade!

Mais uma reunião feliz e de encantamento, desta vez atraídos pelo fascínio do Luso , Buçaco e... Coimbra (ler mais).

 

Carlos Alberto Santos

 

Ex-Militares da 3485 no MEO Kanal

Canal nº 888882 – Ex-Militares da 3485 no MEO Kanal