Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Notícias e Estórias

O momento justifica-o e o objecto da família, Ex-Militares da Companhia de Caçadores 3485, impõe-no. Vamos, todos, contribuir com notícias e estórias do presente e do passado.

Notícias e Estórias

O momento justifica-o e o objecto da família, Ex-Militares da Companhia de Caçadores 3485, impõe-no. Vamos, todos, contribuir com notícias e estórias do presente e do passado.

Meio século depois... da viagem dos grandes choques de realidade para duas centenas de voluntários à força em Angola

Alto Chicapa, 28.01.21

Praticamente, meio século depois…

Ponte_Lima11.jpg

Ao meio-dia de um sábado, sempre o primeiro depois do dia 15 de Maio, num restaurante da região do organizador (Lisboa, Braga, Fátima, Peniche, Porto-São Félix, Santarém, Viseu, Batalha, Évora, Alenquer, Arouca, Paredes, São João da Pesqueira, Ponte de Lima, Caldas da Rainha, Sta. Maria da Feira, Alpedrinha, Cascais, Barcelos, Vimioso, A Ver-o-Mar), juntam-se algumas dezenas de homens e mulheres com idades próximas, muitos já na “casa” dos 70… outros mais novos… descendentes, filhos e netos, num ritual ansiado.

O ambiente é de alegre convívio, entre a cerimoniosa presença das esposas rejuvenescidas e a camaradagem barulhenta dos homens.

As mulheres relembram, mais um ano que passou, os novos descendentes… perguntam pela família e pelas novidades.

Os homens juntam-se em grupos, riem, falam alto e distribuem abraços com palmadas nas costas.

Quem está de fora, nem sempre consegue compreender este tipo de concentração de pessoas. Umas de roupas domingueiras e outras informais, como num dia normal.

Apesar da nossa dispersão geográfica, entre Norte, Centro e Sul de Portugal, que separa as nossas vidas... a camaradagem dos tempos de guerra constitui o motivo para que uma vez por ano haja uma viagem no país e no tempo e com horas de recordações, que pertencem a todos com a comemoração na continuidade entre o passado e o presente.

Depois dos fartos aperitivos… sem mesas reservadas… há quem guarde o lugar para a esposa e descendentes e na mesa ao lado, para os amigos convidados. Há grupos no feminino, as “militaras” que se tornaram amigas ao longo dos anos e se juntam entre si.

O almoço convívio, pelo ambiente e pela variedade da comida, parece um casamento… mas é um encontro de camaradas, ex-combatentes na guerra de guerrilha em África, que se juntam e se revêm durante uma tarde à volta do prazer da mesa.

São os encontros anuais, da Companhia 3485 do Batalhão 3870, que acontecem com regularidade desde o nosso regresso de Angola, em Junho de 1974.

O Batalhão 3870 foi mobilizado em Julho de 1971. Constituído por uma Companhia de Comando e Serviços e quatro Companhias Operacionais, num total de 1100 (?) homens. No entanto, foi só em Novembro e no Campo Militar de Santa Margarida que se juntaram os restantes militares das especialidades para o embarque em Fevereiro de 1972.

Todos os anos há um bolo com o brasão de armas da Companhia e um brinde com espumante para todos, os que estão e os que não podem estar presentes. É também neste momento que se escolhe o responsável pela organização do próximo encontro / convívio, a quem cabe, sem oposição, toda a logística, na escolha da região, do restaurante, da ementa e do envio dos convites.

Estes (re) encontros nasceram da teimosia e determinação de um pequeno grupo de camaradas que decidiram ter chegado o momento de reunir a Companhia 3485. Com a lista dos nomes à data da incorporação, iniciou-se, entre telefonemas, viagens a aldeias e conversas com vizinhos, o processo de localização dos antigos companheiros de armas. Alguns, nunca foram encontrados.

A primeira vez que revi ex-companheiros, olhei, olhei… para muitos foram precisas pistas… não conheces o Freitas? És tu castiço! São tantos anos… no entanto, outros não tinham mudado nada, não havia engano possível.

Apesar das roupas civis, de agora, que podem denunciar a proveniência de cada um… os uniformes, de então, que distinguiam apenas a hierarquia militar, constituíam um nivelador social sem precedentes nas nossas vidas, que perdura até aos dias de hoje.

De um momento para o outro, o salão converte-se num espaço de festa… dançam e cantam os temas. Os que fumam aproveitam para vir até à rua ou simplesmente falar das suas vidas, do tempo que passou, de camaradas falecidos e dos que ainda são procurados, na tentativa de os juntar. Mas há também quem relembre velhas histórias de Angola… as que merecem ser lembradas, num tom geral de boa disposição.

É desta forma que as memórias da guerra no Leste ou na Lunda, entre 1972 e 1974, se reconstituem no presente com os episódios vividos há meio século, entre os valores da camaradagem e os acasos, de sorte ou azar.

foto 6

Ao longo do ano… noutros convívios, que também nos levam a viajar e não só no tempo… desfrutamos em proximidade e durante mais tempo a amizade, que perdura no inédito e num prazer diferente por Espanha, França, Marrocos, Açores, Checoslováquia, Eslováquia, Hungria, Bulgária, Roménia... ou a conviver e a partilhar os momentos... num fim de semana de passeios (Coimbra, Serra da Estrela, Óbidos, Foz Coa, Lisboa, Viana do Castelo, Castelo de Vide, Évora, Chaves), celebrando as castanhas e o São Martinho.

O guião dos convívios repete-se ano após ano sem grandes surpresas. Antes de começar, a festa já acontece nos pontos de encontro, antes de um almoço anual, num aeroporto ou num hotel para um fim-de-semana de passeios.

Há de tudo, num ruidoso aquecimento… conversas, alegria, anedotas, cantorias, os beijinhos do Chumbinho e a poesia do “Manel” Esteves, onde é declamada aquela solidão do destacamento militar no meio de nada, só selva Africana… hoje há a comemoração partilhada do passado com a “outra família”, que a guerra construiu numa situação de violência, doenças e dependência mútua.

Naquele tempo não se fazia a guerra sozinho… é essa a imagem que eu ainda tenho e que não se apaga… a proximidade dos outros.

Hoje estou a escrever, porque um de vós estava perto de mim.

Sem passarmos a linha, que separa o que deve ser lembrado e o que deve ser esquecido… quando nos juntamos, o tempo da guerrilha renova-se… era o isolamento, a tensão em terra hostil e as aventuras num mundo diferente, que se descobria.

Aqui e ali, vai-se ouvindo: RECORDAS-TE?

DE LUANDA… uma cidade alegre, elegante, ao mesmo tempo antiga e moderna. Bebia-se uma cerveja e vinha logo um pires de camarão! Quando vinham canecas, era uma barrigada de marisco. Os arredores, com os musseques muito pobres e cheios de barracas de madeira e de chapas e ruas com esgotos a céu aberto. Um mundo incrível.

E… a “avenida” da prostituição. Porta sim, porta não, ao postigo ou sentadas à entrada a oferecerem-se, como mercadoria. Nunca pensei que fosse possível existir uma “coisa” assim.

DAQUELE HORIZONTE… mata, só mata, tudo primitivo e praticamente sem presença humana… os rios e as suas enormes chanas, as aldeias a horas de distância e a população a partilhar só o que a natureza lhes dava.

DAQUELA CULTURA… gostava do ambiente entre palhotas, as fogueiras, o pirão e o cheiro à mandioca… perdia-me a ver aqueles rituais fascinantes, mas também os havia de horror… tão diferente da nossa terra.

DAS PICADAS… para mim, eram uma tortura. A tensão era enorme, estava sempre à espera de levar um tiro nos cornos ou, então, de não chegar a ouvir o estoiro da mina debaixo da Berliet.

DO DESTACAMENTO DO CANAGE… impossível esquecer. Quando não estávamos de serviço, a fazer segurança ou em proteção, andávamos de camisola ou em tronco nu a banhos no rio… e a comida… um sabor! Apetecia mesmo!

Apesar do inimigo estar ali connosco, aquilo era um paraíso… foram os melhores dias… não havia formaturas e quando havia descanso ninguém inventava qualquer coisa para fazer. Ajudou a matar as saudades de casa e da família.

… DOS GE’s… só me lembro, que havia qualquer coisa estranha neles. Passavam semanas na mata, desenfiados, e ninguém sabia por onde andavam. Sempre achei, que a qualquer momento podia haver a possibilidade de inversão das lealdades. Afinal, era a pátria deles!

De quem não gostava mesmo, era dos Cipaios e até das Milícias, também. Um dia vi-os, junto à casa do Chefe de Posto, em círculo, a espancarem uma mulher, que não conseguia fugir. Naquele momento senti revolta e vergonha. Hoje compreendo melhor a situação das mentalidades de “pretos e brancos”, à época.

NO QUARTEL… o isolamento era enorme. Depois de meses seguidos sem sair, a ouvir as mesmas conversas e a ver as mesmas caras, a impaciência instalava-se… a mesma rotina, mês após mês. Era muito difícil… para não entrar em loucura, muitas vezes às sete da tarde já estava na cama.

DA CHEGADA DO CORREIO… a chegada do correio era a bênção da família. Depois íamos para a caserna ler, ler e reler num grande silêncio… mas também havia, os que não se interessavam. Um dia o Axx vira-se para um conterrâneo… a minha mãe diz aqui no aerograma, que a tua namorada anda com o filho da Carolina… apesar do silêncio, veio logo outro, em cima: Ai a grande vaca, pôs-te os cornos… risos, gargalhadas e uma festa do “carago”!

A tropa acabou por ser boa, abriu-me os olhos. Quando cheguei a Angola, eu era um inocente.

DOS BATUQUES… eram uma maravilha de sons e de danças. Assisti às batucadas quando um morre. Aquilo era uma festa, comiam, bebiam e dançavam toda a noite. Eram velhos, novos e até mulheres com miúdos às costas.

Militares cc3485 Combate

s quimbo

vacinas angola.jpg

O que acabei de escrever em plena Pandemia (Janeiro de 2021) são apenas alguns fragmentos de um passado distante, escutado nos convívios e que cada um dos intervenientes ainda recorda com um olhar retrospetivo e reconstruido.

Não quis ser exaustivo, mas as memórias e os episódios repetem-se nos convívios, ano após ano… por vezes, apenas na troca de versões do mesmo acontecimento.

Apesar de tudo, os temas são consensuais.

A maioria das recordações, estão quase sempre concentradas na descoberta da cidade de Luanda, na vida das aldeias (quimbos), na entrega das roupas à lavadeira e nos namoros (muitos), nas viagens em picada, nos banhos de rio, nas noites de batuque e na nossa vida no meio do “inimigo, com duas faces”. Só depois, vem a saudade, a tensão, o medo das minas e das emboscadas, a rotina no quartel, as aventuras no desconhecido e os horizontes de mata.

Este texto com a disciplina do tempo passado e presente, foi o último de seis temas.

Tal como os anteriores, é mais um testemunho para a História, mas também um sinal à sociedade política, que ainda se envergonha daqueles que um dia chamou à pressa para combater.

Foi desta forma, que decidi reviver o passado, entre sentimentos de revolta e saudade, mas também de repúdio, pela juventude perdida numa guerra inútil, pelo patético discurso ouvido no Alto Chicapa, em finais de 1973 e pelas decisões desumanas, desastrosas e precipitadas, na quebra unilateral de acordos, que potenciaram ataques indiscriminados pela UNITA e MPLA às NT (nossas tropas) e abriram o caminho à Guerra Civil em Angola.

Para terminar, resta-me mencionar a minha eterna gratidão para com os meus camaradas de armas. Com eles, contínuo em divida pelos dois anos e meio de convivência, pela amizade desinteressada e, sobretudo, pela solidariedade nos momentos improváveis e difíceis.

Sem aquela partilha de esforços e de sacrifício, todos os obstáculos seriam intransponíveis.

 

"O valor das coisas não está no tempo que elas duram,

mas na intensidade com que acontecem. Por isso,

existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis

e pessoas incomparáveis".

Fernando Pessoa

 

Aquele abraço, do tamanho do Chicapa.

Carlos Alberto Santos

 
 

 

 
 
 
 
 

Alto Chicapa (parte 1), a viagem dos grandes choques de realidade para duas centenas de voluntários à força

Alto Chicapa, 04.10.20

Ordem de rotação

O último trimestre de 1972 trouxe-nos uma inesperada notícia. A ordem de rotação do comando do Batalhão 3870 para a cidade de Henrique de Carvalho (Saurimo), na Lunda.

Moxico_Lunda_r.jpg

Na sequência desta reorganização militar, em Angola, a rendição das quatro Companhias foi o movimento seguinte.

Nunca houve uma explicação para esta mudança tão repentina… do Moxico, no Leste, para o Alto Chicapa, na Lunda Sul.

Fomos dos últimos a partir, porque ainda nos restavam algumas missões… a defesa e a segurança do aquartelamento na Vila do Lucusse e o acompanhamento dos trabalhos na região de Lungué-Bungo, junto ao destacamento dos Fuzileiros Especiais nº 6… onde, uma vez por semana, via helicóptero, havia sardinhas para assar, marisco e muitas grades de cerveja.

Longe de tudo

Sem conseguir precisar, mesmo nos meus apontamentos, o verdadeiro momento do Adeus a Sacassange… fomos em velhas viaturas civis, como gado vacum entre taipais, pelo itinerário Luso, Luma-Cassai, Alto Chicapa, para terras de quiocos (tutchokwe) e minungos (tuminungu) de dialeto tchokwe.

s floresta alto chicapa

34.jpg

Foi uma longa jornada de 200 km com uma pequena paragem para almoço no quartel de Luma Cassai.

Messe de Sacassange

Continuámos em picadas com muita areia, abandonadas ao tempo, ao capim e à invasão da densa vegetação. Atravessámos pontes em elevado estado de degradação e percorremos terras e lugares desabitados… perdidos no mapa… restou a esperança, a interajuda e a nossa camaradagem.

Fomos render a Companhia 2697 do Batalhão 2911, no Alto Chicapa… novamente sozinhos entre nativos e agora mais longe de tudo, a mais de 8 horas de viagem nas nossas viaturas militares, condicionados pelas avarias e chuvas… 240 km separavam-nos da pequena cidade de Henrique de Carvalho e do comando do Batalhão.

Embora mais experientes, estávamos numa terra hostil… entre muitos residentes simpatizantes ou dissidentes da FNLA.

No entanto, tínhamos a nosso favor: - O enfraquecimento geral da guerrilha, a fuga dos seus líderes, as desavenças internas e as diferenças ideológicas entre os movimentos de libertação.

Posto administrativo do Alto Chicapa

Naquele Alto Chicapa, à época (1972), além de nós, militares, maioritariamente milicianos, havia um administrador de posto, ainda muito jovem “de borbulhas na cara”, os Cipaios, a chamada polícia da Administração de Posto, recrutados entre a população local, os funcionários da OPDVCA / DGS (Pide), que raramente se viam e ainda dois comerciantes, um o Sr. Capela… inesquecível… o frango picante e a grade de cervejas ao lado, no banco.

casa chposto_r.jpg

a_chicapa_posto

AltoChicapa_1.JPG

Em torno deste núcleo social havia uma pequena aldeia junto ao posto. No lado oposto era a aldeia do grupo 305 e 306 de GES (Grupo Especial) e da família… foi a tentativa falhada de criar a tropa profissional local. Não tinham preparação militar, estavam mal equipados e até usavam camuflados rotos ou outra roupa diversa. Ocasionalmente, também apareciam na aldeia alguns “guerrilheiros” de um grupo de flechas (militares, que atuavam sob o comando da Pide / DGS).

Alto Chicapa Quimbo GEs

O posto administrativo estava estrategicamente situado entre as aldeias… Samunge, Samuchima, Cambatxilonda, António Cavula, Nandonge, Muaxiteca, Muachiava, Muambumba e Samuange.

Finalmente os Sobas… personagens nem sempre credíveis à época, independentemente do partido que tomavam… eram os intermediários entre os seus na sanzala e a administração do posto.

A nossa vida no Alto Chicapa melhorou substancialmente, com mais meios e melhores instalações, apesar do enorme isolamento. Estávamos, a 1240 metros acima do nível do mar, rodeados por muito verde, bastante água e com amplos horizontes. Os grupos de combate, tinham a missão de executar alguns trabalhos de manutenção e de melhoramentos no quartel, obras em infraestruturas de apoio às populações, patrulhas e operações regulares alternadas de 5 a 6 dias na mata ou a permanência num destacamento.

Um pequeno avião mono motor abastecia-nos semanalmente de correio e de alimentos, os chamados frescos. Os restantes géneros chegavam com outra cadência numa viatura civil ou nas nossas viaturas militares.

Naquela região com clima de planalto, o anoitecer acontecia prematuro e rápido e em simultâneo com o despertar de um mundo incrível de vida animal numa sinfonia, com pronuncio de segurança, debaixo de um vasto manto escuro manchado de estrelas... de longe, chegavam os mais variados ruídos da selva.

Picada_PSol

Sempre que podia, caminhava à noite entre estes momentos, que me proporcionavam prazer e equilíbrio… numa terapia imperdível, que juntava aos ensinamentos da guerrilha… nunca passar, duas vezes, à mesma hora, no mesmo local.

Duas portas de armas

O aquartelamento era funcional, com duas portas de armas, uma virada a leste e a outra a oeste num amplo espaço, geralmente muito limpo.

Q_PArmas.JPG

Do lado esquerdo, havia uma casa com os quartos dos dois sargentos do quadro, o bar, um acanhado posto de transmissões, um forno de padeiro, a casa com os quartos dos oficiais, a casa das refeições dos graduados, uma cozinha rudimentar a precisar de grandes melhorias, o refeitório dos soldados, que merecia ter mais conforto do que apenas os toscos bancos / mesa e as gordurosas chapas de zinco a servir de teto, o depósito dos géneros alimentares com frigoríficos a funcionar a petróleo, uma cantina, uma caserna pré-fabricada, dormitório dos soldados, uma casa coberta de colmo que servia para trabalhos diversos, um gerador de eletricidade, a oficina auto e o parque das viaturas, um paiol carregado de munições e explosivos… de má memória para os camaradas que lá estiveram presos… perigoso pela irresponsabilidade na decisão de usar este local para castigo… os depósitos de gasolina para os helicópteros, um posto de enfermagem, sempre muito movimentado e um posto de vigia, bem lá no alto.

No lado direito, havia um outro posto de vigia de amplos horizontes, diametralmente oposto ao primeiro, a secretaria, um pré-fabricado, dormitório dos furriéis, outro pré-fabricado, dormitório de soldados e as casas de banho.

Para além destes equipamentos, ainda tínhamos uma pista, em terra batida, para pequenos aviões, um campo de futebol, um campo de voleibol, uma plantação de abacaxis e, um pouco mais tarde, uma piscina.

Q_AltoChicapa_1

Q_AltoChicapa_2.JPG

Q_AltoChicapa_3.JPG

quartel_r.jpg

wIMG_2901.JPG

Fora do quartel havia pormenores a lembrar a época colonial dos anos 30 / 50, como a antiga casa do administrador de posto, uma construção com planta quadrada e uma boa área coberta, que a protegia das fortes chuvadas ou proporcionava um bom local de permanência, nas horas de calor. Nas traseiras havia um grande cercado com duas frondosas mangueiras.

AltoChicapa_3

Naquela época, em pleno interior de África, sem estradas ou outros meios de comunicação, o local era um oásis de luxo, que muito poucos tiveram oportunidade de usufruir.

A paz inesperada

Apesar de a região ser muito diferente da anterior, continuámos numa paz inesperada, devida ao trabalho desenvolvido, no segundo trimestre de 1972, pela operação Rojão IH e pelo êxito do agrupamento de Comandos, Raio (companhias 31, 33 e 37), na destruição dos movimentos de libertação. A FNLA depois de muito castigada enfrentou uma amotinação na base de Kinkuso e uma dura intervenção das tropas do Zaire, o MPLA, que também não foi poupado nos confrontos, envolveu-se em revoltas internas e a UNITA, mantida fora das hostilidades, pelo pacto de não-agressão, que lhe foi oferecido com a garantia (cínica) do controlo do Leste de Angola.

A desorganização dos movimentos de libertação agravou-se, ainda mais, devido às divergências entre os seus líderes.

Apesar de tudo, as nossas operações de patrulha e de reconhecimento continuaram com a mesma seriedade e cadência de 5 ou 6 dias / grupo de combate.

Cassai

Nos dias que antecediam uma qualquer operação, tinha por hábito reler os manuscritos do meu “cuidador”, ler a documentação oficial, que só raras vezes estava disponível e estudar o itinerário numa carta topográfica.

Na normal atividade de reconhecimento de zonas remotas na mata, desta vez, foram programados seis dias para a operação “Pato 7212”.

Foi-me proposto:

- Patrulhamento ofensivo, de identificação, deteção ou divulgação de grupos IN e destruição dos seus meios de vida.

- Largada na picada, Alto Chicapa / Luma-Cassai, junto ao rio Cassai.

- Recolha na picada, Alto Chicapa / Cuango, junto ao rio Cuango.

- Reconhecimento da margem esquerda do rio Cassai até à sua nascente e margem direita do rio Cuango desde a sua nascente até ao cruzamento com a picada (ponto de recolha).

- Permanência desde o dia 04 de Dezembro de 1972, antes do sol nascer, até ao dia 09.

- Grupo de combate com 17 homens, armas G3 e 100 munições / homem, granadas defensivas e três carregadores nativos da aldeia de Samuge.

- Um percurso de 46 quilómetros (ponto de largada / ponto de recolha).

Depois do jantar, fui questionado sobre a saída de seis dias para a região do rio Cassai… até um condutor abordou a deslocação: – Então alferes, amanhã lá vão dar um passeio até ao Cassai!

Falei com o comandante da companhia sobre a confidencialidade… garantiu-me: - Ninguém conhece a operação e o que dizem não me tira o sono… encolhi os ombros.

Durante a noite, choveu muito e trovejou violentamente.

No início da operação o cheiro a terra molhada era muito agradável… apesar de as chuvas continuarem, embora mais concentradas a norte da nossa área de ação.

Tal como previra, a zona por onde andámos, durante os seis dias… mata densa e locais de difícil acesso, junto aos rios Cassai e Cuango ficava na vizinhança do acantonamento da UNITA, que estava em pacto de não-agressão, e num corredor de passagem, para norte, do MPLA e FNLA… que nesta data já tinham regressado às suas bases na Zâmbia e no Zaire.

Dizia-me um soldado: - Alferes, a mata é muito agradável mas transmite medo. Não se houve nada à nossa passagem… um ronco de um animal ou o piar dos pássaros.

Depois de um breve reconhecimento do local de partida, seguimos em coluna por um antigo trilho, na direção do primeiro objetivo. À frente, ia o meu cão pastor alemão, muito desejado por todos, o Buda… o melhor pisteiro, num frenético vai e vem. Logo a seguir, com distâncias milimetricamente interiorizadas, ia o Freitas ou o Nuno, quase sempre os primeiros, seguidos por mim e pelo restante pessoal em secções sob o comando do respetivo furriel.

Os três carregadores, pagos pelo exército, eram espalhados aleatoriamente ao longo da coluna.

Numa área próxima da nascente do rio Cassai assinalada como de provável “contato iminente” saímos do trilho e passámos a caminhar em zonas de vegetação, com alguns movimentos de despiste de perseguições ou de emboscadas. Estávamos nas proximidades dos antigos acampamentos de 70 guerrilheiros do 3º batalhão da FNLA. Quando nos aproximámos destes locais, onde a probabilidade de contato era maior, os carregadores ficavam muito nervosos… os medrosos e os mais comprometidos com as causas… geralmente, fugiam durante a noite, como nos aconteceu, noutra operação, junto à nascente do rio Chiume.

Parámos a meio da tarde, para recuperar forças e para pernoitar, numa zona protegida, sem vestígios de presença humana e com uma linha de água (pequeno rio) por perto.

Apesar de tudo, chamei o carregador mais velho, o Sá Moço, para saber a sua opinião sobre o local.

Respondeu-me: - Não tem turra!

Este homem, saudoso das suas quatro mulheres, falava muito pouco na nossa língua… percebia quase tudo o que se dizia… mas, entre gestos e meias palavras até conseguia contar histórias inacreditáveis.

Era de confiança, muito respeitador e uma força da natureza, que admirei muito… um sobrevivente.

Com naturalidade, não precisava:

- Os fósforos ou o isqueiro eram substituídos por uns pauzinhos em fricção sobre alguns filamentos de raízes, como a estopa do linho;

- As cordas, encontrava-as em lianas e cascas de árvores;

- A tenda, criava-a com os materiais existentes no local;

- Os remédios, encontrava-os entre folhas, raízes e cascas de árvore;

- O sabão, substituía-o por folhas e uma espécie de argila;

- A escova de dentes, era um pequeno pau, filamentoso numa ponta e aguçado na outra (os dentes bem cuidados e brancos faziam inveja);

- A ração de combate, era o que havia na natureza, folhas, frutos, cogumelos, cágados, cobras, ratos, gafanhotos, formigas; e

- A orientação, conseguia-a com quase tudo, inclusive com a estrutura do solo ou com o voo de alguns pássaros.

Montámos um pequeno acampamento com os panos de tenda onde as sentinelas se revezavam por períodos curtos. Acordámos não fazer fogo e não falar ou chamar o Buda.

Depois do que passei numa operação com os catangueses… hoje estou convencido… se houvesse guerrilheiros nas redondezas, viriam para jantar… o cheiro a comida, das nossas latas da ração de combate, espalhou-se, certamente, por uma vasta área.

Mata_2.JPG

De manhã, decidimos percorrer a margem direita em círculo e mudar para lá o acampamento. Ficámos mais um dia, mas muito atentos para algum movimento no anterior local. No final de um dia agitado e nervoso, antigo refúgio de muitos guerrilheiros da FNLA, consegui, apesar do frio e do chão a tremer com os longos rugidos dos leões, descansar sobre um montão de folhas secas e na companhia de um cão, que parecia nunca dormir.

Mata_Buda.jpg

O Hamilton, o nosso homem das transmissões, que não se esquecia das suas obrigações com competência, no entanto perdia-se nervoso e a gaguejar quando apanhava em linha o capitão e a sua liderança pelo medo… nem a cantar conseguia falar.

No terceiro dia, quando começou a clarear, progredimos uns bons quilómetros em direção à margem esquerda do rio Cuango, em vez da direita. Lembro-me que contrariei o plano da operação… hoje, já não sei quais foram os verdadeiros motivos… talvez por estratégia.

Durante o percurso, tivemos o cuidado de estar atentos aos vestígios… lavras abandonadas, ausência de população e trilhos que não eram usados. Mesmo assim, estivemos à vista de uma conhecida e consentida zona avançada do acantonamento da UNITA na nascente do rio Lungué-Bungo, esta localizada entre o Cassai e a região da Vila do Munhango.

O quarto e o quinto dias, entre vegetação muito densa, e com travessias refrescantes, nos pequenos afluentes do rio Cuango, foram de um sossego absoluto e com locais excelentes para recuperar as forças e passar a noite.

Se não estivéssemos em guerra, diria que foi um passeio numa região idílica, cheia de belezas naturais, onde os meus olhos viram as melhores imagens da selva africana, que nenhuma máquina fotográfica, daquela época, poderia mostrar completamente.

Num local, onde o caudal do rio aumentava e o manso murmúrio da água corrente contrastava com umas impressionantes quedas de água, vi plantas nunca vistas, árvores de grande porte, frutos desconhecidos e muita vegetação a transformar o chão num imenso e garrido tapete verde. Os peixes maiores bem junto à margem e sem medo, andavam entre numerosos peixinhos coloridos, como num aquário.

Cuango_3r.jpg

Cuango_1r.jpg

Cuango_2r.jpg

Cuango_4r.jpg

Depois do rugido dos leões, fomos contemplados com a passagem lenta de três elefantes, com a fuga de uma onça, por uma grande família de javalis, bandos de agressivos macacos cão, grandes cágados, ratos voadores com uma membrana da pata dianteira à traseira, que lhes dava a capacidade de planarem do topo das árvores até à base de outra… sucessivamente, voltavam a trepar e a planar… uma grande cobra e inúmeras cabras do mato, muito abundantes na região.

Antes do nascer do sol desmontámos os panos das tendas, arrumámos os sacos mochilas e disfarçámos os vestígios da nossa presença. No entanto, era praticamente impossível repor o aspeto do local e as clareiras abertas pelo nosso calcar na vegetação… isto, sem falar nas latas vazias e no lixo, que era colocado num buraco coberto com terra e folhas.

Ao sexto dia, como combinado, estávamos no ponto de recolha numa zona plana com vegetação diferente e dispersa. Depois de um breve controlo à área envolvente, decidimos avançar ao longo da picada. Para mim, a deslocação em viatura era o momento que mais temia… o meu sistema nervoso alterava-se de uma forma inexplicável.

Os cinco ou seis dias passados na mata transformava por completo a nossas aparências… mal cheirosos, cansados, mal alimentados e carentes de um sono sem sobressaltos, numa cama… a degradação progressiva da nossa imagem, que só dávamos conta no regresso ao quartel quando íamos a um espelho.

Passaporte para a mata

No dia seguinte, aproveitei o descanso da manhã para dar um passeio no exterior do quartel. Na proximidade do novo edifício do posto, cruzei-me com um jovem, bem vestido, talvez acima do que era normal naquele meio. Estava na posse de um papel, “passaporte”, com uma autorização temporária para poder transitar na mata. Como estávamos sozinhos trocámos breves cumprimentos com os tradicionais batimentos com a mão no peito… a minha apresentação à moda do “puto” transmitiu-lhe confiança e até me pareceu que se esbateram algumas barreiras culturais. Ficou mais solto e comunicativo… falava o português, bem melhor do que eu estava à espera.

Contou-me:

- os motivos do passaporte… uma visita a familiares na sanzala do Cucumbi;

- a sua função de professor / monitor na nossa região, pago pelo estado português; e

- a sua descendência.

Num sábado, ao fim da tarde, na loja do Sr. Capela bebemos umas cervejas e estivemos à conversa. Nunca me questionou sobre a nossa atividade militar, mas senti que gostava de saber coisas da minha vida em Lisboa. Contei-lhe como vivia, quase sem omissões e até a minha posição perante a política e a guerra. Inesperadamente, talvez com a ajuda da meia dúzia de cervejas bebidas, “disparou”: - Tenho um grande sonho! Ir para Portugal e perder-me de amores por uma branca peluda... faltou-me coragem para perguntar em que zona do corpo. Confidenciou-me, que as populações eram maioritariamente apoiantes da UNITA ou da FNLA, entre os mais velhos, e que havia alguns com familiares guerrilheiros… apercebi-me, que era um dos poucos simpatizantes do MPLA.

Mais tarde, encontrei-o em plenas funções, na sua escola, na Sanzala do Camachilonda. Pediu-me para contar algum momento interessante sobre a história de Portugal… falei sobre a padeira de Aljubarrota… adoraram… uns meses depois em António Cavula, onde estava um primo com a categoria de monitor, voltei a repetir a história.

Escola_1

Ele e o primo, foram amigos, que deixei e não voltei a ver… no entanto hoje aparecem assim: - Acidentalmente tirados do fundo de uma qualquer gaveta ou da minha memória onde estão arquivados, à luz do mais genuíno e feliz dos meus dias nas relações entre as pessoas.

Foram eles, que em 1974, de uma forma muito astuta e em antecipação, me incentivaram à saída breve do destacamento em António Cavula… que contarei no momento certo.

As sentinelas

Voltando às minhas deambulações nas noites escuras, entre arame farpado e momentos fortes… hoje agradeço todas as mais-valia de ter vivido aquelas situações, boas ou menos boas, na camaradagem saudável dos soldados sempre voluntários, apesar de viverem em condições subalternas e com pouco dinheiro.

Puxando “a fita” um pouco atrás:

- Numa noite, a alguma distância, vi a cara da sentinela no alto da vigia enquanto puxava uma fumaça… Bxx, queres ir encaixotado para Trás-os-Montes? Abrem-te dois buracos na cabeça, um à frente e outro atrás! Sabes perfeitamente que estão todos a confiar em ti! No dia seguinte estava muito ofendido e já era uma vítima… para o alferes de serviço.

- Noutra… num ruidoso jogo de cartas, que acabou sensatamente sem vencedores ou vencidos, menos para as cartas;

- Ainda, numa outra vez… enquanto o moço dormia profundamente e na paz dos anjos, levei-lhe a arma para o meu quarto. Acabei por me arrepender… a minha obrigação deveria ter sido outra… falámos de manhã, sentados na minha cama… em compreensão mútua esquecemos o que aconteceu. Recebi provas de um grande carácter e uma grande lição de humildade, que me ajudaram a crescer; e

- Finalmente, outra anormalidade, esta por volta das 4 horas da manhã, quase dia em África. Estava de serviço, com os elementos do meu grupo de combate. Então Axx, que se passa? Alferes não diga nada ao Capitão, só estava a esgalhar uma… à maneira. Eu vi essa parte… os outros capavam-te. Oh meu alferes, peço desculpa, estava a olhar para a loiraça do calendário e comecei a lembrar-me da miúda do cinema em Henrique de Carvalho, moreninha, calças justas, um valente papo e um par de mamas a quererem saltar para fora da camiseta. Dava-lhe uma martelada… bem enterrada até aos tomates… ia pedir mais, de certeza. Repara Axx, o capitão não é para aqui chamado, só estamos nós os dois... percebi o motivo do teu desatino, mas podemos ficar em perigo se não estiveres atento e compreende, estávamos todos a confiar em ti. Alferes, tem toda a razão, somos amigos e não acontece mais, juro! Mas, acredite… aquela miúda é toda tesão!

O que acabei de relatar, foram casos isolados e não aconteciam com a frequência, como eventualmente poderá parecer nesta narrativa. Pelo contrário, devido à nossa velhice na guerra, ao isolamento dos postos de vigilância e a alguns sustos à mistura, as sentinelas iam ficando mais “profissionais” e engenhosas nas armadilhas e nos pontos de diversão para tornar o intruso num alvo fácil… e já usavam a interajuda de um amigo, não escalado, para colaborar no serviço.

Q_Vig

Q_pisci_1

Missão humanitária

A minha primeira saída para uma missão humanitária aconteceu depois de um pedido de ajuda urgente ao comandante de companhia, para socorrer uma mulher da aldeia de Samuchima, que estava em trabalho de parto há demasiado tempo, no meio de grande sofrimento e de preocupação dos seus familiares.

Fui num velhinho jipe Williams, na companhia de um condutor e do enfermeiro Luís.

Picada_1.JPG

Pelo caminho o enfermeiro dizia: - Nunca ajudei num parto, nem tenho material apropriado.

Perguntei-lhe: - E porquê um alferes miliciano especialista em minas e armadilhas?

Quando chegámos, já era noite. O ambiente não parecia pacífico e as condições de higiene eram as piores. Mesmo assim, sentimos a obrigação de ajudar.

Tudo estava a acontecer numa palhota pequena de chão térreo, em cima de uma esteira, à luz de um escuro candeeiro de petróleo e com algumas mulheres em grande ladainha.

O pai da criança, que tinha pedido o socorro, fugiu com medo dos familiares da mulher.

- Luís, acho que só fomos chamados para aqui em desespero de causa.

- Bem, temos que fazer alguma coisa para melhorar isto!

- Vou pedir para estas mulheres saírem e com os faróis do Jipe, junto à porta, vai haver mais luz lá para dentro.

O Luís quando se aproximou da jovem não aceitou a situação dos rituais, que estavam a acontecer: - A cinza espalhada no corpo e o excremento de cabra no chão. Solicitou a duas mulheres a rápida limpeza do local. Em seguida desinfetou-lhe o corpo.

Com as mãos (não havia luvas) e com muita coragem daquela mãe, tentámos tudo para facilitar o nascimento da criança. Mas tudo correu mal, mesmo.

Aquele filho, não queria nascer.

- Luís, na faculdade falou-se em partos provocados.

- Só temos soro… mesmo assim devíamos tentar!

- Pela manhã logo se via o resultado!

Informei o chefe da aldeia e as mulheres da família do nosso regresso ao quartel e o que se tinha feito. Voltávamos de manhã. Pedi para lhe estimularem os seios e ajudarem quando a criança estivesse mesmo para nascer.

No povo quioco, logo que uma mulher sente os primeiros sintomas do parto, pede à mãe ou a outra mulher da família que chame a tchifungudji (parteira) e todas as mulheres que já tiveram filhos, para que auxiliem em tudo o que for necessário.

Os homens, as crianças e ainda as mulheres que tiveram relações sexuais no dia anterior não podem assistir ao parto.

A futura mãe senta-se numa esteira costas com costas com uma outra mulher, a ajudante, que lhe entrelaça os braços prendendo-a contra si. A parteira fica sentada em frente a dar instruções.

Conforme me contaram, depois do nascimento, mais ninguém pode mexer na criança, só a ajudante e a parteira. Cortam e atam o cordão umbilical, lavam-na em água morna e entregam-na definitivamente à mãe. Esta recebe um copo de água para beber e borrifar o filho, dizendo, mais ou menos isto, para que fiques bonita(o) e forte.

No dia seguinte, há uma espécie de batismo imunizante, que é feito por todas as crianças da aldeia com raízes, que esfregam na criança, afastando assim todos os feitiços e os males. É a partir deste momento que qualquer outra mulher poderá pegar, mas continuam a ficar de fora as mulheres impuras, com relações sexuais no dia anterior.

Ao terceiro dia, é feriado na aldeia e dia de festa. A parturiente lava-se no rio, na altura mais quente do dia, pedindo à água que lhe dê forças e frescura. É neste dia que o pai dá um nome ao filho. O nome pode ser o de um seu antepassado, de um amigo ainda vivo, ou de um acontecimento importante que se tenha passado no dia do nascimento.

No entanto, só no ato da circuncisão, nos rapazes, ou da iniciação, nas raparigas, é que o verdadeiro nome será escolhido.

De manhã, quando chegámos à aldeia a criança já estava lavada e ao colo da mãe com o cordão umbilical cuidado pela parteira. Era um rapaz. Ficámos contentes com o final feliz daquela mãe. O miúdo ficou a chamar-se Carlos, temporariamente.

Éramos jovens e culturalmente muito diferentes daquele povo, mas iguais perante o sentimento simples de ver nascer uma criança. Aprendi muito, nascemos iguais e até com a mesma cor e a aflição geral num parto basta para esquecer ódios de morte.

Acerca do pai… não me recordo ou não dei a devida importância à situação… certamente regressou à aldeia.

Capinar

A vida no quartel, entre arame farpado, mantinha-se sempre igual e rotineira, mas era exigente e com demasiada disciplina, incluindo o vestuário e os horários.

Entre o capinar e a plantação de abacaxis, havia sempre trabalhos de manutenção ao quartel e obras nas sanzalas.

rIMG_2916

O dia em que estava de fiscal (ridículo) aos soldados que capinavam o quartel, uma tarefa importante para garantir a limpeza e a higiene da nossa pequena cidade, era um frete para mim e do desagrado de todos… entendiam-no como um castigo… acabava em fugas, baldas e desentendimentos.

Numa das minhas passagens, encontrei-os sentados em amena cavaqueira.

Perguntei:

- Então Cxx, o que estão a fazer?

- Estamos a capinar meu alferes.

- O que vejo é só conversa e num sítio onde nem sequer há capim.

- Alferes, a velhice é um posto… se continuarmos aqui o capim não cresce mais, como está a ver.

Primeiro Natal em Angola

Como era o último fim-de-semana antes do Natal, fui assistir ao habitual mercado desta época. Era muito concorrido e animado entre as gentes das sanzalas. Vendiam farinha de mandioca, bem como algum feijão e outros produtos proveniente das lavras. As trocas criativas por peixe seco, carne seca, óleo de palma e panos eram os momentos mais esperados e o centro de todas as atenções.

AltoChicapa_Mercado_1

O primeiro Natal em África estava por horas.

Já não me lembro dos pormenores da consoada, da árvore de Natal, da música alusiva à época, se a houve, do bacalhau com batatas ou do bolo-rei. Porém, a calma nas tarefas era evidente e o ambiente geral de boa disposição era contagioso.

Quando anoiteceu passei pelas sentinelas e pelas casernas com uma mensagem de amizade… afinal eram eles a minha família, mais próxima.

Demorei-me um pouco mais na caserna do meu grupo de combate, onde, no meio de um grupo de soldados a jogarem à lerpa e outros a conversarem e a rirem, improvisaram uma mesa com chouriço, presunto, queijo, bolos secos, pinhões e uma garrafa de espumante, tudo do puto.

O Cassiano, mais distante da noite festiva, estava a reler aerogramas, outros mais cansados, recuperavam de uma semana na mata com roncos surdos. Ao fundo, a um canto, estava o Alves, que sem dar pela minha presença mostrava um ar calmo e feliz, provavelmente a reviver os amigos ou a namorada.

- Então Alves?

- Um bom Natal!

- Desculpe meu Alferes, estava distraído a sonhar com a consoada junto da família, com a Missa do Galo e com a fogueira no adro da igreja.

A minha noite de Natal continuou no bar de oficiais entre espumante e petiscos, uma animada conversa, dois whiskies e algumas anedotas alusivas à época… restava o momento das ofertas do Movimento Nacional Feminino. Pelo meu lado, recebi um número do Cavaleiro Andante de 1966, um número antigo da revista Flama e um estojo com uma “Gillette”, um pacote de cinco lâminas quase ferrugentas e um pincel para espalhar o sabão.

Na manhã seguinte, Dia de Natal, fui dar um passeio no exterior do quartel na companhia do meu cão Buda. Andava descontraído, em calções, camisola branca de manga curta e desarmado… respeitando o dia.

AltoChicapa_5

Cruzei-me com dois Cipaios e até… a Benita andava por ali, junto ao arame farpado.

Quando passei junto ao depósito da água, ouviam-se gritos e mais gritos, sem parar… alguém estava a ser interrogado e provavelmente não queria falar… meio século depois ainda sinto aqueles gritos.

A vida no Alto Chicapa, nem sempre era tão cor-de-rosa como a gostam de pintar. Num outro caso, que presenciei numa tarde junto ao posto, era uma tentativa miserável de obrigarem a falar um homem deitado no chão de mãos amarradas, com uma roda do jipe encostada à cabeça e com o motor em aceleração, … assustadora.

Nunca consegui saber mais do que aquilo que presenciava, por mera casualidade… e quando quis saber mais... com maus modos contaram-me: - Os procedimentos habituais é entrega-los à DGS / PIDE (quem?).

Carlos Alberto Santos

www.cc3485.pt

Sacassange, a viagem dos grandes choques de realidade para duas centenas de voluntários à força

Alto Chicapa, 18.09.20

Diferente, desconhecido e estranho

Chegámos completamente esgotados a Sacassange, onde era tudo diferente, desconhecido e estranho.

mapa_leste_Angola.jpg

Valeu o simpático acolhimento.

O aquartelamento, a cerca de 24 kms da Vila do Luso, do tipo destacamento, tinha instalações pouco cuidadas e era muito rudimentar.

Do que ainda me lembro, a estrutura, à primeira vista, parecia “abandonada”… havia uma porta de armas, uma espécie de dormitório dos oficiais, o depósito de géneros, uma secretaria, um barracão / sala de refeições, um posto de vigia, o forno do pão, um gorduroso local para refeitório e cozinha coberto com chapas de zinco e ao lado uma espécie de cantina.

sacassange_r.jpg

sacass_refeit

rIMG_3278.jpg

As oficinas e a arrecadação do material ficavam próximas das casernas dos soldados.

Apesar de tudo, havia aspetos agradáveis: Um clima de planalto, quase idêntico ao da metrópole, calor durante o dia e um fresco intenso à noite, que não dispensava cobertores, e um pequeno rio (o Dala), afluente do rio Luena. Passava bem encostado à proteção em arame farpado e foi muito útil no dia-a-dia.

rIMG_3277

Estávamos num antigo colonato a 1300 metros acima do nível do mar, numa região agrícola decadente com grandes áreas abandonadas, devido à guerra e à implantação da UNITA na região, e de madeireiros, que neste ano de 1972 eram em número reduzido.

Junto à estrada principal, a 2 km das nossas instalações, havia, e ainda há, uma grande povoação, a sanzala do Moxico Velho.

O que fiz nos primeiros dias esteve longe de ser interessante, mas eram momentos necessários, a rendição… dos velhinhos, pelos maçaricos ou os “mikes” da Companhia 3485.

Começava o meu envolvimento nesta estúpida guerra, onde nunca consegui perceber se era a Guerra Colonial, se a Guerra do Ultramar ou a Guerra de África.

Ajudei na inventariação e na receção de algum material em monótonas e enfadonhas listas de todo o tipo e formatos… com assinaturas conjuntas, dos que ficam e daqueles que partem.

Contavam: Nas rendições havia a tendência ou a necessidade para realizar algumas aldrabices… cobertores dobrados ao meio para serem contados por dois, vasilhas de azeite ou de óleo, em que metade era água, guinchos de viatura sem o mecanismo interior ou peças, que depois de contadas, saiam por uma porta e voltavam à contagem, enfim… sempre me disseram que a tropa manda desenrascar, mas… não podes ser apanhado.

A referida transmissão de responsabilidades para a Companhia 3485, do Batalhão 3870, só ficou concluída com a rendição dos militares do destacamento, na povoação do Luatamba / Canage, a 46 quilómetros do quartel, uma estrutura improvisada junto à picada, que continuava para as Vilas do Lucusse e de Gago Coutinho.

Por nossa conta e risco

Uma vez sozinhos, o novo comando e cada um de nós no seu posto e funções teve de se adaptar às circunstâncias, aprender o que nunca nos ensinaram, improvisar muito e decidir, sem medo de errar… mesmo quando não havia informação de suporte ou tempo para pensar.

Eramos maioritariamente milicianos, com exceção de um primeiro-sargento e de um sargento-ajudante. Também, maioritariamente, formávamos uma boa estrutura de camaradas, 5 estrelas, como se costuma dizer… num misto de militares naturais de Angola (pretos e brancos) e de soldados brancos provenientes da metrópole (Portugal), quase todos naturais de Trás-os-Montes.

Apesar da minha juventude e da inexperiência dos meus 24 anos foi fácil perceber, que quem estava a mandar na organização da companhia eram os dois sargentos do quadro já habituados à máquina burocrática do exército… como instalar os mais convenientes e evidentemente, a instalarem-se… eram peritos na guerra do papel e a recrear vícios adquiridos noutras comissões.

Em conclusão, uma engrenagem montada para funcionar bem dentro do arame, mas que era insuficiente para responder com qualidade e prontidão às necessidades de quem andava no exterior. No campo militar o poder do Estado existia, à altura (1972), ainda omnipresente e omnipotente. Exigiam o uso da violência física e o apoio da DGS / Pide, o que surpreendia os mais esclarecidos Alferes milicianos e o Capitão de proveta, também miliciano, habituados aos discursos antiguerra ouvidos nas universidades, desde 1968.

A todos, devo muito… apesar do comando do nosso capitão, adepto confesso do Estado Novo e da ditadura, interpretar à letra o poder interno e externo pelo uso excessivo da violência psicológica e física.

A minha passagem pelo Leste de Angola foi penosa… numa lenta e difícil adaptação. Deixei, por lá, naquelas matas, as minhas primeiras revoltas e consequentemente muitas lágrimas e angústias.

Rações de combate, tubos de repelente e muitos mosquitos

Diariamente, entre rações de combate, tubos de repelente e muitos mosquitos, os grupos de combate faziam a proteção às máquinas, aos trabalhos e aos empregados da empresa Tecnil e da JAEA (Junta Autónoma das Estradas de Angola), que abriam a nova via asfaltada, Luso / Lucusse / Gago Coutinho.

racao_combate.jpg

Naquela guerra de proteção o nosso dia-a-dia era sempre uma rotina desde as deslocações na mata, conforme o avançar das frentes de trabalho e até a quantidade do nosso armamento disponível… tudo era previsível e conhecido… numa zona muito complicada, lado a lado com um corredor, a Rota do Luena ou de Agostinho Neto, de passagem de guerrilheiros do MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola) vindos da Zâmbia. Na região, estavam identificados 3 esquadrões (1 esquadrão = 100 / 150 homens), o Voina, o Vitória e o Sakembo.

picada_canage.jpg

O pessoal afeto à construção da estrada, trabalhadores e capatazes, oriundos de Angola, da metrópole e de Cabo Verde organizavam-se como queriam, sem problemas nas deslocações e nas horas mais impróprias ignoravam tacitamente o exército português. É certo que não os conhecia, mesmo nada, mas pelo que se observava diariamente tinha razões para duvidar destes comportamentos… a nossa organização teria de ser bem calculada, para não sermos transformados em alvos fáceis na mata ou junto à picada.

O cuidador

Um velho amigo beirão (Vitor A), companheiro de liceu e de faculdade, que teve a arte e o engenho de conseguir cumprir o serviço militar num gabinete em Luanda, passou a ser o meu companheiro distante do meu serviço militar no Leste de Angola… um cuidador, que eu alguma vez esperava ter. Para os curiosos, mas mais para os controladores do costume, dizia que era correspondência do meu primo Marinho Santos, que vivia em Luanda… um escritor, também de aerogramas.

Entre temas, simples, de velhos amigos, recordo aqui a primeira informação, que me enviou em Abril de 1972:

  • A FNLA ameaça a fronteira Leste pela área de Nova Chaves, a partir da base de Kaundu, com movimentos constantes na estrada de Dilolo. Fazem pequenos acampamentos ao longo do rio Cassai para o apoio dos guerrilheiros com destino aos locais de fixação, Moxico, Buçaco, Camgumbe, Munhango, Luma-Cassai e Alto Chicapa.
  • O MPLA fixou-se entre, os rios Luzege e Cassai, visando os movimentos militares das NT (nossas tropas) no itinerário Chimbila a Cazage. Usam a implantação de armadilhas, minas antipessoal e anticarro.
  • Na região norte do rio Canage, há pequenos grupos de reconhecimento, com 5 a 10 elementos emboscados ou móveis, sob a chefia do comandante Cauevo.
  • O comandante Cauevo domina a tua região com informadores fixos no Luso, no Moxico Velho e no Lumege. Usa, também, mulheres jovens, que parecem inofensivas. São conhecidas por Rosas Negras. Movimentam-se junto aos aquartelamentos e destacamentos das NT, no triângulo Teixeira de Sousa, Luso e Gago Coutinho.

Terminava sempre... um abraço de merda e não percas a cabeça, porque depois não tens onde colocar o quico.

Abandonados à nossa sorte

Ao fim de quatro meses, éramos homens tristes, cansados psicologicamente e saturados da rotina e do abandono à nossa sorte. Andávamos com munições contadas e com armamento muito pouco estimado (num primeiro teste, não autorizado, a cada uma das 25 espingardas G3 do grupo, só 7 funcionaram depois de muito bem limpas e oleadas).

Suportávamos uma tortura diária de muito calor ou chuva e lutávamos contra outro exército… pequenas abelhas que tentavam a todo o custo entrar em qualquer orifício do nosso corpo.

Nestes dias de inatividade ou de luta, as nossas refeições eram sempre feitas à base da Ração Individual de Combate, composta por uma lata de leite, uma lata de atum ou sardinha, uma lata de salsichas, uma lata de feijão com chouriço, duas latas de sumo ou salada de frutas e um pacote de bolachas de água e sal.

Como diz o poeta… estávamos numa guerra invisível e traiçoeira em que a bala espreita e a mina acontece… e eu acrescento… com o mosquito a “foder-nos” o juízo.

MVL

Uma vez por semana, passava na nossa zona de proteção, o MVL (Movimento de Viaturas Ligeiras) um conjunto de várias viaturas civis, para o transporte de pessoas, equipamentos e mantimentos, e de viaturas de um esquadrão de comandos, os Dragões. Esta coluna de viaturas, como os militares lhe chamavam, devido à sua previsibilidade, tinha uma longa história de ataques na zona do Luatamba, uma aldeia abandonada, muito próxima da nova aldeia do Canage e do nosso destacamento.

mvl.jpg

Esta zona da picada, entre densa floresta, era temida e considerada muito perigosa. As viaturas tinham que abrandar a marcha devido ao declive, ao excesso de areia no final da descida e ao esforço suplementar que era exigido aos motores para vencerem a subida até à aldeia do Canage.

Era o local eleito para os ataques do comandante Cauevo. Diziam que a tática era sempre a mesma, umas vezes atacavam e isolavam uma das últimas viaturas, outras vezes atacavam as da frente para criar confusão e desorganizar a proteção à retaguarda.

Num desses ataques eu estava muito perto em proteção às máquinas do asfalto. Uma vez mais, tinha sido emboscada uma das últimas viaturas civis do MVL, que ficou com danos materiais no meio da desorganização geral, dos tiros e da morte de um jovem guerrilheiro, que aparentava ter pouco mais de 16 anos.

Jov_Guer.jpg

Este jovem, sem qualquer identificação, foi atingido no abdómen pelos Dragões com uma rajada de G3. Encontrava-se, a cerca de 20 metros de um grupo de 10 guerrilheiros, encostado a uma árvore com uma metralhadora automática ao ombro, que parecia estar presa a uma corda para facilitar a sua retirada em caso de insucesso.

Em conclusão: durante a confusão alguém levou a arma (quem?), abandonou o jovem guerrilheiro e a corda.

Operação Perseguição

Ao assumir o comando da ZML (Zona Militar Leste), o general Bettencourt Rodrigues tinha sob o seu comando, 21 500 homens de toda a natureza militar - unidades do Exército, da Marinha e da Força Aérea e 11 700 homens de forças auxiliares, os "Fiéis", catangueses refugiados em Angola, os "Leais", refugiados da Zâmbia, os "Grupos Especiais", conhecidos por GEs, os "Flechas" da PIDE e as milícias armadas.

Foi um grupo de catangueses, fiéis seguidores políticos do deposto Moisés Tschombé, que perseguiu o grupo atacante.

Colaboravam com o exército português a troco de armas, dinheiro e troféus. Viviam de uma forma primária e com um regulamento de disciplina próprio.

Acompanhei-os… eramos apenas onze portugueses… a experiência de viver dias com um grupo de guerrilheiros caçadores de trofeus, que apenas usavam uma catana, uma panelinha e um cobertor amarrado ao cinturão das cartucheiras da G3, era impensável… mas aconteceu.

Arrancámos cedo para a mata. Antes do por do sol já estávamos no primeiro objetivo, sem encontrar vestígios de movimentos de outras tropas. Acabámos por pernoitar em plena selva africana... entre tanto silencio imposto… até ouvia o meu cuidador: “nunca percas a cabeça, porque depois não terás onde colocar o quico”.

Tinha uma carta topográfica (coisas de maçaricos) que não me servia para nada, tantas eram as manobras de diversão. Impressionou-me a floresta que ladeava as margens dos afluentes do rio Canage. Havia folhas de vários anos espalhadas no chão e a sua cor castanho brilhante formava um tapete com características únicas. À distância, havia dezenas de pequenos montes e vales, que se sucediam uns atrás dos outros cobertos por uma ténue bruma azulada e tonalidades mais escuras na linha do horizonte do Parque Nacional da Camea.

Era uma floresta rica em árvores de grande porte, o Mussivi, e muito mel em colmeias altas. Era tanto, que chegava a haver em buracos nas cascas ou nas aberturas das árvores.

Oper_Katang1_r.jpg

Oper_Katang_r.jpg

Ainda de madrugada, com a escuridão da noite a desaparecer, retomámos uma marcha sempre em silêncio e contínua até a um outro ponto previamente referenciado. A única paragem foi ao fim de cinco horas num local de vegetação muito densa, que serviu mais para o descanso e menos para o comer. A restante progressão fez-se ao ritmo das catanas numa dura passagem por vegetação cerrada.

Foram quatro dias de marcha dura, de ensinamentos e de atenção a todos os vestígios no terreno. Apesar do calor e da humidade e das muitas manobras de despiste de alguma perseguição ou emboscada, o que mais me impressionou foi a disciplina e o silêncio imposto em toda a jornada. Estes homens não gostavam de participar em operações com brancos. Tinham um apurado sexto sentido para o perigo e de tal forma, que até a nossa pasta para os dentes e o sabão ou o cheiro da comida enlatada os incomodava.

Foi a minha primeira operação militar. Andei muito assustado, com medo QB (quanto baste), entregue a mim e à sorte dos outros militares brancos… no meio de 30 indivíduos a falarem uma linguagem estranha, ocasionalmente francês, e com hábitos e costumes muito próprios. Mas, nem tudo foi mau, ensinaram-me a estar na guerrilha e a abrir todos os meus sentidos, vista, ouvidos e olfato, como grandes sentinelas… compreendi o silêncio imposto, porque só assim se conseguia ouvir o que a natureza tinha para nos dizer.

Ao princípio da tarde chegámos ao destacamento do Canage, com a Operação Perseguição terminada e sem nada de relevante a assinalar.

O jovem guerrilheiro que tinha sido sepultado por nós, sem qualquer mutilação do corpo, embora a vontade dos catangueses fosse outra… ao contarem-me os pormenores, impressionou-me a frieza e a obsessão pelos trofeus… reclamei contra o ritual à custa de um desconhecido, que morreu a lutar, também por uma causa, com as mesmas armas, embora do lado oposto…, mas teimaram, para eles ia manter-se o ritual de trofeus.

A aldeia do Canage era uma populosa sanzala, atravessada pelo rio canage, numa clareira aberta no meio de uma densa floresta, ligada por uma ponte metálica à picada, futura estrada de alcatrão, Luso a Gago Coutinho.

Canage_banho_r.jpg

Antes de voltar ao quartel em Sacassange, tomei um banho no rio, com um pedaço de “sabonete” azul e branco, que o Alferes Monteiro emprestou... foi a melhor refeição, que tanto ansiei durante os últimos quatro dias.

O desenfiado

O meu regresso ao quartel, onde raramente estava para usufruir de um dia de descanso, coincidiu com a abertura do primeiro auto à luz do Código de Justiça Militar.

Durante o fim-de-semana, o soldado Oxxx tinha-se ausentado (desenfiado) sem autorização e sem avisar ninguém. No quartel pensava-se em tudo, rapto, morte… menos no que realmente acabou por acontecer. Depois de vários dias em complicadas buscas e contatos com sobas, acabámos por encontrar o nosso camarada na aldeia do Moxico Velho, escondido numa cubata, mas em plena lua-de-mel com a sua nova companheira, uma fogosa luena.

Na fase final das averiguações, perguntaram-lhe:

- Soldado Oxx, está arrependido?

- Meu capitão, acredite… não estou nada arrependido… se eu soubesse que era assim tão bom já lá tinha ido há mais tempo!

Quanto ao auto, já não me lembro das conclusões ou das consequências, mas era evidente que para muitos dos nossos tropas a experiência militar também significou:

- A primeira viagem de avião;

- A saída de casa;

- A ausência de vergonha dos vizinhos;

- O primeiro contato com outras realidades;

- A obrigatoriedade de princípios de higiene e de hábitos alimentares;

- A liberdade de terem satisfação sexual, normalmente com a popular figura da lavadeira, que facilmente misturava o trabalho com o prazer.

A geraldina

Numa das minhas passagens pelo destacamento do Canage, corria o mês de Julho de 1972, em plena estação do cacimbo.

Quatro “bons” malandros, do meu grupo de combate, lembraram-se de… participar à noite numa "geraldina"… cada um à sua vez, a ter prazer sexual.

No final de cada serviço, diziam:

- O nosso alferes vem no fim… confia, ele paga-te!

mutopa_mulher_r.jpg

Bem cedo, na madrugada do dia seguinte, a enganada, outras mulheres e mais dois homens, apareceram à porta do nosso rudimentar destacamento, onde rapidamente se armou uma tremenda confusão a exigirem um ajuste de contas com o “nosso alferes”.

Eu ainda estava deitado e não sabia, nada de nada e do que se tinha passado (mas o meu cuidador sabia… “não percas a cabeça, porque depois não tens onde colocar o quico”). Bem… falei com todos, entre desculpas, e como não contavam ouvir-me dizer: com a noite perdi-me na aldeia… é fácil num local escuro… acalmaram… o triplo do dinheiro necessário para reparar os estragos acabou por fazer o resto, a bem de todos.

Andei, algum tempo, muito desconfortável com aquele comportamento… mas precisava de manter o quico na cabeça… diziam-me insistentemente que não pensaram nas consequências da brincadeira e que só queriam desenferrujar o prego… mas aqueles dias de guerra e aquele local sem leis ou regras, o desfecho poderia ter sido irreparável.

Os Movimentos de Libertação, desfaziam-se

À medida que os meses passavam, mesmo em tempo de guerrilha, percebia-se facilmente que as pessoas iam ficando diferentes e que a sua revolta não era para nós mas pelos sucessivos anos de maus tratos, do trabalho forçado e não pago e de muita “porrada”, como diziam.

Estávamos, já há algum tempo, deslocados naquele destacamento com o nosso melhor espírito de sacrifício, a enorme capacidade de sofrimento dos soldados e a aproveitar uma paz inesperada, devida, momentaneamente, ao desentendimento entre os movimentos de libertação. A FNLA enfrentou uma grave amotinação na base de Kinkuso, obrigando as tropas do Zaire a intervir, o MPLA foi confrontado com uma revolta encabeçada por Daniel Chipenda (ex-jogador da Académica de Coimbra), em oposição a Agostinho Neto e o pacto de não-agressão oferecido à UNITA, com a garantia cínica do controlo do Leste de Angola.

Mais tarde, perante a desorganização dos movimentos, que se desfaziam, a OUA (Organização de Unidade Africana) e Mobutu juntou-os, com a assinatura do acordo de Kinshasa em 13 de Dezembro de 1972. Quando fui informado deste acordo, temi o pior para nós e calculei que iria surgir no terreno uma força poderosa com um objetivo comum devido à solução encontrada com a criação do CSLA (Conselho Superior de Libertação de Angola), do CMU (Comando Militar Unificado) e do CPA (Conselho Político Angolano) … mas as fortes contradições e as inúmeras divergências dos movimentos de libertação e dos seus líderes anularam o acordo… felizmente para as NT (nossas tropas). Hoje, ainda não percebo como é que a diplomacia portuguesa não aproveitou esta situação… tinha a força do seu lado e todas as condições para preparar a independência de Angola, sair organizados pela porta grande e evitar a guerra civil aos angolanos.

Dois enrabichados

A nossa vida, neste longínquo destacamento para onde fomos atirados, mantinha-se religiosamente com os mesmos rituais, proteção diária à construção da estrada, esporádicas patrulhas na mata e a vida na aldeia. Durante a noite, lia ou ouvia rádio, a Emissora Nacional e a BBC, que chegavam com qualidade razoável em ondas curtas. Ouvia, ocasionalmente, uma rádio da Zâmbia, a Maria Turra. Falavam de nós, mas exageravam muito. Por exemplo: -Tínhamos sido vítimas de uma emboscada, da qual não escapámos ficando a picada mais vermelha com o nosso sangue.

Apesar de tudo, nem tudo era mau, se soubéssemos partilhar as experiências e abrir os olhos para o que nos rodeava… foi o que aconteceu ao nosso jovem Qxx…o amor.

Só me apercebi quando uma esbelta luena se queixou do chindelo Qxx… quer sempre acabar em “maka” (armar confusão) … “Nossoalfers, essi gaju num tens esperto, num querer só esfoder assunji da minina”… e insistia comigo… “nossoalfers, pá, asboca és pra comer, osmataco és pra cagar, xiiii”… percebi logo que estes dois estavam enrabichados.

mulher_sporto.jpg

Naquela época a mulher luena, enquanto solteira, tinha muita liberdade na sua vida sexual por desejo…não parava até ter o homem escolhido.

Voltando à jovem luena, convém referir, que enquanto novas eram sempre muito elegantes e que aquela acusação, ao chindelo Qxx, tinha, para além de tudo, um fundamento cultural, nesse ano de 1972. Via-se, que entre os nativos, não existia, por exemplo, o beijo e o contacto físico, senão, como diziam, durante a intimidade do ato sexual.

Até o cumprimento de mão era substituído por um bater as palmas ou bater no peito.

Também não existiam as aberrações, nem a perversão dos costumes, aliás existiam lendas para provocar a repugnância, o medo e o horror a tais práticas com os órgãos do corpo humano, que só devem ser usados nas funções para que a natureza os criou.

Em poucos meses, aprendi muito sobre o povo desta região do Leste de Angola. A mulher valia na tribo pelos trabalhos que realizava e pelos filhos que procriava mesmo sem haver, provavelmente, o amor como nós o entendíamos. Começavam o dia cedo, muitas vezes carregando os filhos às costas. As suas tarefas diárias incluíam, tratar dos animais, a preparação da comida e da terra, plantar mandioca, feijão, milho e batata-doce, secar ou fermentar os tubérculos da mandioca, transportar a água, a lenha, frutos, raízes, assim como, ratos, gafanhotos e larvas. Os homens tinham tantas mulheres quantas pudessem comprar, porque ter mulher ou melhor mulheres, significava ter comida e ser rico.

Dedicavam-se à caça com arcos, flechas, dardos e armadilhas. A caça estava intimamente ligada às convicções religiosas ou tribais e também servia para fornecer carne para alimentação própria e para a comunidade. Adicionalmente, era seu dever construir a casa, procurar mel e destilar milho em aguardente.

O destacamento

No destacamento, convivi de perto com dois irmãos de mães diferentes, um rapaz e uma rapariga… muito jovens. Cuidavam há algum tempo da minha roupa, com esmero.

Ele “arranhava” razoavelmente o português e era muito curioso pela leitura. Aos poucos começámos a ter uma mútua confiança. Tratava-o por Dito.

Num domingo andou comigo pela aldeia, numa zona praticamente vedada ao branco ou a estranhos… vi o sítio onde se lavavam, visitei o adivinhador, uma espécie de médico, o jango das cerimónias fúnebres, o local da circuncisão e o da iniciação, a zona da sanzala onde vivia a sua família e no batuque que aconteceu depois do por sol, na “lua escura”, onde entre sons e danças acontecia sexo com naturalidade e sem ciúmes… fumavam a erva / maconha, bebiam a aguardente de milho… puuum, puuum, puuum… ouviam-se os sons e o eco dos tambores no silêncio de uma noite envolta num maravilhoso manto de estrelas. À volta da grande fogueira projetavam-se enormes sombras e reinava a momentos um intrigante silêncio da erva, entrecortado a espaços por vários e misteriosos ruídos, sem origem definida, parecendo os fantasmas errantes do imaginário das mentes ou das mensagens, codificadas, com outro destino.

mutopa_mulheres_r

Noutro momento, apresentou-me, aos seus nove irmãos e irmãs (alguns ainda de colo) e a quatro fogosas e esbeltas mulheres, duas ainda de seios empinados e muito jovens, uma seria a sua mãe.

Dito.jpg

rIMG_3304.jpg

Ao fundo do caminho de terra batida havia uma cubata diferente, a maior… na frente e à sombra de uma grande árvore, estava “aninhado” um homem que aparentava ser muito mais velho. A todos falei… mas em simultâneo o meu pensamento desviou-se para o batuque da ” lua escura”.

Dito! Como é que o teu pai consegue dar conta de quatro mulheres tão novas?

"Oh alferes, não esfala isso, os filho és mesmo dele."

Era gente feliz… regressei intrigado ao destacamento… como consegue um homem muito mais velho ter tantos filhos com aquelas jovens mulheres.

Durante a noite, aconteceu o que não conhecíamos… chuva persistente e muito forte. Era o início da época das chuvas. A aldeia e toda a área circundante do destacamento ficou coberta de água e de terra barrenta. A trovoada e os relâmpagos eram tão fortes e intensos que pareciam estar junto a nós. O chão tremia, como nunca o tinha sentido, e a barulheira da trovoada vinda dos quatro cantos era contínua e infernal.

Quando deixei o destacamento fiz questão de me ir despedir daquela família… deixei uns livros ao Dito e à irmã e umas cucas (cervejas) ao pai em troca do segredo da sua capacidade sexual.

Respondeu-me: - "Cá, nossalferes, tomo milongo (remédio)”… uma raiz amarelada grande, que há nas areias da mata… “para ter os pau direito e fazer o sexo divino de Nzambi (Deus) e os minino nas minina".

Saí desta zona, sem a angústia dos pretendentes a heróis, satisfeito comigo, honrado e com o luxo de ter gravado no meu olhar, longa e eternamente, momentos mágicos, que, quando os recordo, fazem parar o meu tempo e me ajudam na minha sanidade mental.

Muitos anos depois, vi o filme África Adeus… como eu entendi a frase, que Meryl Streep diz para Robert Redford: - Tudo o que disseres agora, acredito.

O meu oásis e as forças redobradas

Durante as ultimas seis semanas, em Sacassanje, tive um pequeno oásis na minha vida e na guerra e também as forças redobradas. Passei a ter a companhia da minha mulher e do meu filho João. Hoje, ainda recordo com gratidão aqueles momentos e não esqueço aquela coragem.

sacass_joao_72_2.jpg

sacass_joao_72_3.jpg

sacass_joao_72_1.jpg

Sacassanje Adeus

Saí de Sacassanje com motivos para recordar, gostava daquele povo luena (malwena), dos batuques e dos merengues no Canage, que eram sempre muito ritmados e de grande beleza, com um grupo de homens, colocados ao centro, tocavam os tambores, e o resto dançava de volta, velhos e novos, mulheres com filhos às costas, mexendo-se com espantosa facilidade e cantando ao mesmo tempo uma linguagem que nunca cheguei a perceber. O Soba e os Mais Velhos, todos muito velhos, vestidos de umas velhas fardas de um luxo esfarrapado, assistiam sentados em banquinhos baixos, com uma dignidade imperturbável.

Aquele mundo africano era lindo, cheio de vida, de juventude e de imaginação.

As casas de adobe e de capim, a mandioca a secar e a cheirar a quilómetros, o milho, o feijão, a batata-doce, os panos soltos com que as mulheres mal se cobriam, a imensa proliferação de crianças de todos os tamanhos e as estupendas figuras das meninas prontas para o casamento rentável para a família, tudo isto era de facto estranhamente original, belo e apaixonante… apesar da vida primitiva.

Deste bocadinho de comissão guardei comigo, para hoje partilhar com amigos e outras pessoas, mapas, fotografias, slides, memórias e umas garrafas de whisky. Outras, impartilháveis, como os cheiros, os sabores, a poeira, a lama, o cansaço e a nostalgia depois de cada aerograma, ainda são, mesmo assim, levemente passíveis de serem descritas. Porém, ainda outras… que não podiam vir, vão andar comigo para sempre até que a morte as apague… os amigos sem cor e que nunca mais vi, as matas que ainda não conheciam a ganância do ser humano, os horizontes, o medo, a alegria, a descoberta e a camaradagem.

Os portugueses que por ali estiveram noutras épocas, muitos são acusados, de terem matado, estropiado e escravizado. Não foi grandioso ou louvável para nós, mas hoje ninguém os pode avaliar e seria insuportável desconfiar de tais intenções, porque julgar os outros e a história tendo a vantagem do tempo diante dos nossos olhos, é duvidoso.

A todos, devo muito…

Carlos Alberto Santos

www.cc3485.pt

A viagem dos grandes choques de realidade para milhares de voluntários à força

Alto Chicapa, 23.07.20

Poucos tinham visto um Boeing 707 (04-02-1972 / Figo Maduro, Lisboa)

IMG_2993er.JPGR_MPLA.JPGR_FNLA.JPGP_UNITA.JPG

Eram 23 horas, de uma noite muito fria, escura e… triste. Estávamos no Aeroporto em Lisboa, numa aerogare da força aérea. Entre momentos de boa camaradagem, de espanto e de alguma descontração, fizemos um razoável percurso a pé, até ao avião.

Poucos tinham visto um avião de tão perto. Era todo branco com uma risca azul ao meio e uma cruz latina vermelha no bojo, junto às janelas, entre as asas e na porta de acesso. Organizados, subimos as escadas e entrámos deslumbrados.

Já no ar, com o espetáculo de uma Lisboa à noite a perder-se de vista, passou-se, rapidamente, para o Oceano Atlântico num ambiente de nuvens muito escuras.

tam2.jpg

De madrugada, no meio de uma grande tempestade tropical, o avião era sacudido grosseiramente entre grandes deslocações para baixo e para cima. Lá fora, via-se perfeitamente como se fosse dia e as nuvens em baixo eram rasgadas frequentemente por enormes clarões.

Para me proteger da luz dos relâmpagos, ajeitei-me na cadeira e adormeci, praticamente inconsciente, como se o vazio se tivesse apoderado do meu espírito fazendo-me esquecer aquela agonia familiar da partida para a guerra.

Despertei ao som da voz de um militar da Força Aérea Portuguesa, “a nossa hospedeira de bordo”, anunciando que o pequeno-almoço ia ser servido.

Passavam trinta minutos das seis da manhã.

Quando foi servido o pequeno-almoço, à base de fiambre, pão, manteiga, croissant, café com leite, compota, geleia e mais qualquer coisa com ovo, estávamos muito perto de Angola, já se via o oceano muito bem e a altitude era mais reduzida, sobrevoávamos a orla marítima, formada por retalhos onde o verde da vegetação contrastava com uma terra avermelhada, e os arredores de Luanda com uma extensa zona de bairros pobres e, mais adiante, junto ao aeroporto, a cidade onde já havia alguns edifícios modernos.

Cont_Africano.jpg

Luanda_Ar1.jpg

av_combat.jpg

Luanda_VistaCidade.jpg

Uma madrugada calma

À hora em que a natureza começava a mostrar-se com toda a sua exuberância, a costa africana ainda estava envolta pelo cacimbo do amanhecer. O verde, o calor e a terra encarniçada misturavam-se entre capim, árvores e neblinas.

O sol nascia desde a traseira do avião boeing 707 dos TAM (Transportes Aéreos Militares).

Tudo, ou quase tudo, parecia ser tão irreal, um grande rio a vencer o oceano, a floresta, uma pequena aldeia, e algumas casas isoladas cobertas de vegetação em clareiras rodeadas de frondosas árvores.

Fiquei feliz por ter desfrutado, assim, dos primeiros cenários naturais de Angola.

Semanas depois era o percurso até... à nobreza dos animais nas chanas junto à água e ao rugido cavernoso do leão, à noite. As plantas que curam ou fortalecem e o secretismo dos feitiços. A jovens nativas, frutos silvestre, corpos de gazela, olhos luzindo promessas de desejo nos seios… nuas numa esteira em noite escura, aiué, aiué... os batuques, entre avisos de guerra, e as fogueiras com as silhuetas e as sombras que se deleitam entre danças. Foram muitos meses, a viver, em plena selva, com dois panos de tenda a servir de teto… num choque indescritível, que ainda arrepia, entre medo, respeito e fascínio.

Foi a dureza da vida e aquela imensidão africana que me permitem, hoje, olhar a natureza de outra maneira, moldar a minha mentalidade e a libertar o meu espírito de comportamentos mesquinhos.

A integração, no espírito africano.

O dia começava cedo na cidade de Luanda, o orgulho do Império, num trabalho lânguido misturado com o lazer e a prática corrente da sesta.

Num intenso calor carregado de humidade e de mosquitos, a vida parecia preguiçosa, embora as alienadas gentes, idas do “Puto”, antes da guerra, invadissem tudo, abanando a “árvore das patacas” num saque que parecia urgente. Os nascidos na terra, esses olhavam-se incrédulos e confusos, perguntando frequentemente, porquê tanto trabalho.

Bem à portuguesa, os chamados colonos tinham filhos, casavam-se, eram felizes na terra de adoção. Mantinham ali o seu dinheiro e investiam na vida profissional e material local como um cidadão na sua terra natal.

Havia gente de toda a espécie, aqueles que tinham trocado toda a riqueza, na santa terrinha, por uma carta de chamada, documento original na diplomacia portuguesa, imprescindível à imigração dos sonhadores, os portugueses de primeira, que se achavam altos funcionários cheios de importância e os intelectuais de esquerda, tacitamente contra o colonialismo, mas sem abdicarem das mordomias e de tudo o que era bom.

No mundo urbano central, quase restrito aos brancos, novos-ricos, perdidos em vaidades e rodeados de criados, a guerra no mato, impiedosa, noticiada diariamente, era ignorada… até um anormal movimento de helicópteros com feridos, sobre a cidade, não conseguia agoirar um fim de tarde de lazer ou uma revista local acabada de sair, cheia de fotografias de bailes, festas sociais, moda e automóveis do tipo americano. Ninguém se apercebia do fim eminente.

Na Mutamba apanhei um “machimbombo”.

mutamba_Viat_milit.jpg

Fui dar uma volta pela cidade. Estava deserta. O comércio fechado, as ruas vazias, os táxis parados, sinaleiros sem trânsito, dormitando tranquilamente até que a cidade volte a si… é que das 12h00 às 15h00, Luanda defende-se do calor. Fecham as farmácias, as barbearias, as lojas, as repartições públicas, os consultórios e até os quiosques. É um ato de hibernação regulado pelos sons no forte de S. Miguel que anuncia as 13h00, o momento da passagem da mesa do almoço para o cadeirão de verga onde se lê o jornal e se dorme… uma sesta.

A minha hora do almoço foi passada, estrategicamente, na estrada de Catete junto ao Jumbo.

Luanda_Catete.jpg

Luanda_Jumbo.jpg

Era o local escolhido para o descanso do motorista ou… do tropa que em 1963 tinha sido retirado de Macedo de Cavaleiros para ir defender Cabinda.

A nossa aproximação começou com um... és um recém-chegado a África!

- Sim, sou tropa, cheguei de Lisboa, vou para o Leste.

- Vais precisar de tempo para aprenderes, o que esta terra tem para nos ensinar.

- Nunca esqueças! Não andes mais depressa do que o teu anjo-da-guarda puder voar… coisas de África… quando te passarem os fulgores da juventude e perceberes que o homem não é omnipotente… vais acreditar!

- Na guerra, que acontece nas terras para onde vais, mata-se e morre-se… quando regressares, que não seja entre cal e chumbo ou enfermo da violência psicológica e da solidão ou com rancor pelos anos que te roubaram, mas com o espírito encantado, vagueando perdido, saudoso e prisioneiro dos horizontes míticos... só assim conseguirás a tua própria paz!

O acordar do povo foi rápido e o “machimbombo”, uma comprida camioneta, em marcha lenta, já ia cheio… pretos, brancos e mulatos.

O entardecer rápido.

Agitava cafés, cervejarias e esplanadas enquanto o sol se envolvia num largo turbante vermelho para um número final do seu belo espetáculo de todos os dias… o pôr-do-sol.

Luanda_pinturas.jpg

Havia, sempre, muita gente no centro da cidade, na Marginal, no Cais do Porto, nas Ingombotas, na Maianga, na Vila Alice, na Vila Clotilde, na Cidade Alta… a respirar um ar húmido, que tornava tudo pegajoso, e que entrava pelas narinas como um bafo inebriante e erótico, vindo das fornalhas daquele clima tropical onde o desejo fervia… sem parar.

A noite era igualmente morna e húmida entre a água calma e deslumbrante da baía de Luanda.

Os majestosos edifícios iluminados, encimados por reclames multicolores, o edifício do Banco de Angola, os andares do Banco Comercial de Angola, os grandes edifícios dos hotéis, o edifício de apartamentos da indústria do prazer, o “treme treme” (local muito frequentado por belas morenas, que tornavam tudo mais fácil e pelos militares em férias ou regressados do mato), o porto de Luanda repleto de navios e os vários bares onde havia espetáculos de variedades e de striptease de categoria duvidosa.

Luandanoite

Noite dentro, no Largo da Cervejaria Portugália…

- Qxxxxxx, tu... por aqui?

- Alferes!?

- Viemos comprar batatas!

- Batatas?

- Batatas-doces… riram-se.

- Viemos às meninas.

- E então?

- A primeira que encontrámos, disse que era a Josefa… parecia ter cinquenta anos… mostrou-nos a perna até… à… barriga, só pintelhos.

- Depois… outra e ainda outra a usar grandes óculos de sol à noite… aquele bimbo só se ria... pirou-se... e eu fiquei ali parado, a olhar os oculos escuros na noite escura… são 50 do puto por uma “mamada”!

- E... que tal?

- Meu Alferes, uma vergonha, aquele bimbo percebeu a tempo… era um travesti. Isto já é a guerra… posso morrer na merda, ficar sem pernas ou sem pila, mas não quero entrar na minha terra, esticadinho no caixão, só a arrotar a colhões de um qualquer travesti.

Havia uma outra Luanda

Nos arredores da cidade, os musseques... um mundo de gente fugida da guerra das montanhas do Norte e das planícies do Leste, iludida por uma vida melhor… esgotados nas entranhas das ruelas escuras, fedorentas, insalubres, das fogueiras queimando excrementos e das águas estagnadas, ninho de milhões de mosquitos e de incontáveis misérias.

Luanda_musseque.jpg

As inacabadas casas de madeira ou de lata não eram um mundo impenetrável para o branco, ali encontravam desejo, tesão, prazer… galope desenfreado e o gozo de fazer sexo livre em qualquer lado… entrava-se e sai-se livremente e, naturalmente, aconteciam as uniões entre as raças. Nascia a mestiçagem uma geração de gente mulata, onde as raparigas, quase irresistíveis, eram esbeltas e harmoniosas… Kuringa, uma cabrita, de cor “canela”, em meneio gingado como uma potra de raça, sorriso de marfim, corpo maduro ansiando parelha, linda, vestida de panos garridos e justos a realçar as formas esculturais do belo corpo já bronzeado, o ventre liso, os seios excitados, o “mataco”, que dança e até se insinua na cidade, marcado por calcinhas minúsculas e… tudo o resto… nem era preciso adivinhar.

Campo Militar do Grafanil.

A chegada, ao Campo Militar, em veículos de mercadorias, “gado” entre taipais, foi apenas o começo, de semanas e mais semanas… anos de um jogo mortal de guerrilha.

grafanil1.jpg

BV11

3º. Grupo - zona do Cassai

1GCC3485BT3870.jpg

Eles

luanda_Baia4.jpg

- Alferes, isto é tudo um fingimento.

- São as casernas, que não são… são pocilgas e tendas.

- São as camas, que não são… são viveiros de percevejos e prateleiras de cimento com um cobertor.

- O vinho, que não é vinho… é banga-sumo, uma mistela.

- A capela, que não é capela… é um embondeiro… o Capitão é que a sabe toda, de mansinho desenfia-se… vai-nos enrabando de fininho… igualzinho ao meu padrasto.

Pairava no ar muita angústia e o ambiente era infeto e incaracterístico. Representava, a síntese das fragilidades da sociedade angolana, o nível intelectual dos muitos militares de gabinete, ébrios de poder... conhecidos pelos calhaus da engrenagem.

O chão vermelho da parada, onde as poucas árvores estrategicamente colocadas julgavam contrariar a fúria dos elementos, fervia aos primeiros raios solares com a intensidade de um forno crematório.

Nas noites, passadas entre percevejos, mosquitos e um silêncio de morte, os corpos escorriam suor e os pés escorregavam no chão gorduroso e húmido dos líquidos que habitualmente escorriam das latrinas cheias.

Apesar de tudo, não esquecerei os momentos de camaradagem na esplanada, com uns “conversados” camarões, a solidariedade, o humor, o desconforto físico e, em certos casos… muita revolta. Foi ali, com as minhas próprias forças… as internas e as outras, que comecei a aprender a resistir e a ultrapassar os fantasmas e os medos.

Primeiro dia da viagem para o Leste de Angola

Já era noite alta quando chegámos à cidade de Nova Lisboa (Huambo).

Não houve salvas, nem festa, nem, como em Luanda, bandos de aguerridos miúdos a receber-nos.

Num olhar rápido pelos arredores e pela estação dos comboios, vejo alguns edifícios iluminados e todas as ruas desertas.

Atiro-me para um cadeirão de verga num quarto alugado para… mais dois. Fiquei-me… sem reação… sem dar pelo tempo… a tentar recordar os muitos quilómetros percorridos (600). Queria lembrar-me de episódios, de paisagens, de cenas, de costumes, mas… só conseguia reconstituir na penumbra, da luz mortiça de uma lâmpada, a manhã calma da partida, as cubatas ao longo da esburacada estrada, o espetáculo fantasista do sol a morrer para lá das últimas palmeiras gigantes, que se viam no horizonte, os casebres pobres em silhuetas coladas sobre um chão encarnado e um céu onde se adivinhava a agonia rápida do dia.

Perto de mim, escreviam-se aerogramas e uma conversa em surdina acabou em evocações sentimentais:

- A minha senhora faz anos... que pena não haver um telefone!

Um camarada… mais "cusco"… comenta alegremente:

- Mas há mosquitos, moscas, muita merda, uma bala perdida e mais mil quilómetros, bem medidos… com o peso dos teus cornos duvido que lá chegues!

aerograma.jpg

Pálidos… pelo desconforto.

mapa-angola.jpg

picada.jpg

A paisagem era desoladora e agressiva. O capim dominava a região entre a densa mata, algumas clareiras e os raros terrenos de cultura onde os braços desiguais e retorcidos dos embondeiros pareciam estar em atitudes alucinadas de quem protesta e se revolta contra o solo ingrato.

embomdeiro.jpg

Em algumas aldeias, junto à estrada, a população parecia ser feliz, gritavam as mulheres, as crianças, os jovens e os velhos, quando passávamos perto. Os gritos… pareciam ir de sanzala em sanzala como o som do batuque que comunicava de terra em terra, no alfabeto indecifrável daquele povo, com a notícia da chegada do “chindelo”.

Noutras, havia um silêncio imprevisto, e em contraste lá estão junto das cubatas as mesmas mulheres, homens e crianças, parados sem que os olhos se abram amistosamente, sem uma atitude de interesse, quase sem se voltarem… em desprezo. Outros estão sentados, de costas apoiadas nas paredes frágeis das cubatas, indolentes, inúteis e tristes.

Numa loja, onde se vendia de tudo, com um quadro do Bom Jesus de Braga à entrada e um velho colono sentado ao balcão a fumar e a beber cerveja… gabava-se de episódios de outros tempos, de lutas… para nós, os maçaricos, eram simplesmente irreais e impossíveis.

Quilómetros, quilómetros, quilómetros… 

A espaços uma sanzala igual a tantas outras, onde o povo aparece no caminho com saudações diferentes, uns fazem continência, outros batem no peito e as palmas, outros quase se deitam no solo e erguem as mãos numa atitude de inspiração fascista.

Passámos por pequenas povoações, postos isolados de governadores solitários, por alguns colonos portugueses… a bandeira portuguesa, entre casas de adobe e telhados de zinco.

A um soba, perguntei: - Então, como correm as coisas por aqui?

Metido no seu fato de Terça-Feira de Carnaval com botões dourados, descalço e de chapéu-de-chuva, bracejou na mímica do seu complicado idioma.

Pelo semblante, só podia estar a dizer... vai-te embora, vai para a tua terra!

Um intérprete de ocasião tenta convencer-me de um encontro amistoso... não disse nada, era só discurso.

Era o contraste de ideias, que passava a estar incluído no preço que iria, realmente pagar, para, um dia, poder voltar a Portugal.

Nos Caminhos de Ferro de Benguela, até á Vila do Luso

Inspirado nos livros de Agatha Christi e no meu imaginário esperava por umas confortáveis carruagens, um restaurante onde poderiam jantar 30 pessoas em verdadeiro luxo de espelhos e cristais, empregados aprumados de fardas bordadas a ouro, um menu de africanos… cadeirões confortáveis para a noite.

Percorri o comboio de ponta a ponta… não fiquei entusiasmado, nem acabei surpreendido.

Comboio_CFB

Passámos, dois dias em bancos de madeira, alguns longitudinais, em grandes molhos de corpos, de braços, de pernas, de armas e de porcaria… os líquidos de odor duvidoso, os restos das latas de conserva e outros detritos iam ficando espalhados pelo chão.

rIMG_2907

Depois de breves paragens em Bela Vista, Chinguar, Silva Porto, Munhango, Cangumbe e Vila General Machado chegámos à pequena estação da Vila do Luso quando o luar já tomava conta da paisagem.

comboio1_CFB.jpg

Destacavam-se algumas casas brancas, recortes de arvoredo em ruas largas e muitos europeus… maioritariamente militares e seus familiares.

A mil trezentos e vinte metros de altitude gozava-se ali as delícias de um clima planáltico temperado e saudável.

Na povoação, de uma tranquilidade excecional, ouvia-se ainda, lá longe, como um eco, como um rugido, como um grito abafado pelo tambor e pelos cânticos do batuque, a repetir sem descanso: - Chindelo chegou… chindelo chegou…

Hotel Luso.jpg

Luso Catespero.jpg

No restaurante Catespero, perto do Hotel Luso, finalmente uma refeição… um grande bife, batatas fritas, três ovos estrelados e vinho verde Gatão. Aí, conheci o Sr. Joaquim, um velhote, marcado pelas febres, respeitado e saudado por toda a gente… setenta e sete anos de idade e 50 anos na Universidade do Leste.

Contava:

- Era tão fácil andar pelo mato noutros tempos… andava à vontade até nos extremos da fronteira.

- Firmavam-se tratados de amizade com os sobas, deixando como permuta a bandeira das quinas.

Apesar dos prepativos para uma nova partida para a primeira noite num “quartel” no mato... entre espingardas, outras tralhas, munições... uma voz mais alta em brado de aviso irónico faz coro com o ronco do motor da Berliet… Cuidado com os leões! Não os matem todos…

Luso_GagoCoutinho_r.jpg

luena_estrada_sacassange.jpg

No dia seguinte, já em Sacassange… reparei na triste monotonia da paisagem.

Carlos Alberto Santos

www.cc3485.pt (Site dos Ex-Militares Companhia 3485)

Texto sobre a 4ª Edição Raid TT Kwanza Sul - 2009

Alto Chicapa, 29.05.10

(embora um pouco longo merece ser lido)

 

O Raid é também uma referência na promoção turística de Angola, ao mostrá-la aos angolanos e ao mundo.

 

A prová-lo, a cobertura mediática que vem em crescendo. Este ano, com várias televisões a transmitirem imagens de grande beleza e vários “directos” mostrando a dureza da prova. A confirmação de que a mensagem vem passando são os muitos sites e blogues que utilizam de forma espontânea, imagens e textos relacionados com o Raid.

 

O itinerário de 2009 cobriu o Norte do País. O seu litoral (Ambriz, N’Zeto (ex-Ambrizete), Soyo (ex-Santo António do Zaire), Cabinda e, ainda, o interior das Províncias do Uige, Malanje, Kwanza-Norte e Kwanza-Sul, num total de 3700km., que foram percorridos de 16 a 25 de Maio.

 

Normalmente, a 15 de Maio, pontualmente, começa o cacimbo (estação seca) mas, este ano, houve chuva até mais tarde e os raidistas (cerca de 50, metade angolanos, metade portugueses) e as 18 viaturas TT da NISSAN, enfrentaram sérias dificuldades, principalmente em certos troços (argilas expansivas, frequentemente com componente vegetal). Assinala-se a dureza com que teve de ser vencido o troço do N’Zeto (Ambrizete)ao Uige (ex-Carmona). Num dia avançaram-se apenas 44 km.! Com constantes atolamentos a exigirem manobras alternativas (construção de variantes em “picada àla-minute”) e uso de cintas de reboque…

 

Para além das magníficas paisagens que se puderam observar (matas de café com frequentes “abertas” de plantação de citrinos e palmar), os participantes puderam conviver com uma população, pobre mas super-hospitaleira, a recuperar rapidamente dos efeitos do conflito armado, população que não escondia o seu entusiasmo por aquela visita às suas terras e que foi inestimável na ajuda à abertura dos tais “percursos alternativos”: jovens a brandirem catanas com enorme mestria, em poucos minutos “deitavam” o capim e os carros passavam a “corta-mato” evitando, assim, as traiçoeiras lagoas de lama…

 

Houve mesmo que pernoitar uma noite dentro das viaturas para prosseguir ao romper da aurora.

 

E logo a população surgiu a assar mandioca, batata-doce e ginguba (amendoim), fazendo com que alguém nos dissesse: “acabou por ser uma
noite muito agradável. Vi um céu magnificamente estrelado e senti-me em segurança total. Não me sentiria assim se tivesse que dormir no meu
carro na marginal Lisboa-Cascais…”


Hospitalidade, beleza e optimismo...

 

Impressões gerais: A inegável hospitalidade e cordialidade das populações. A beleza das paisagens e das terras: a praia do Ambrizete, a força das águas na Foz do Rio Zaire, as florestas de Cabinda, a memória histórica de N’Banza Congo – ex-S. Salvador do Congo – onde se encontra a primeira Igreja católica de pedra e cal, a Sul do Sahara, as matas de café, a vitalidade das terras com o Negage e Camabatela, as quedas de Kalandula – ex-Duque de Bragança - o Rio Kwanza – na ponte Filomeno da Câmara, no Dondo, na Muxima – as Cachoeiras do Binda, Porto Amboim… Tudo são imagens que se fixaram indelevelmente nas nossas memórias…


Outras impressões que nos marcaram: O optimismo no futuro. Todas as pessoas falam em novos projectos e em novas iniciativas (A crise chegou. Angola passou de 15% de crescimento em 2008 a uma previsão de 0% este ano, mas o optimismo e a vontade de fazer estão presentes).

 

A pujança do português. Em todo o lado a comunicação é predominantemente em português.
Mesmo na fronteira do Massabi (entre Cabinda e o Congo Brazaville), onde um imenso mercado anima as relações – frequentemente familiares – de um lado e de outro da fronteira, o português era a base da comunicação. O português, através de Angola, irradia para os países vizinhos.

 

Outra impressão forte, a da reconstrução nacional. Muitos prédios estão em recuperação e reabilitação. As estradas em Cabinda são boas.
Uma óptima estrada abre-se a norte do Rio Kwanza, entre Kapanda (a barragem construída por brasileiros e soviéticos) e o Alto do Dondo.

 

O Turismo dá os primeiros passos. Logicamente, começando pelo turismo interno. Em três anos são visíveis as diferenças, para melhor, na qualidade do serviço, nas pequenas unidades hoteleiras que por toda a parte vão surgindo. Uma referência especial à Estalagem de Cabuta (perto do Calulo), propriedade das organizações Ritz. Os edifícios desta estalagem, além de lindíssimos, estão também inseridos numa mata que parece um jardim botânico, com vistas magníficas.

 

A maior e a mais importante das impressões positivas é o da Paz e Segurança. Nos últimos três anos fiz mais de 15 mil kms em todo-o-terreno em Angola. Jamais senti qualquer constrangimento em matéria de segurança. Os angolanos sabem o que lhes custou o não terem tido Paz durante demasiado tempo e hoje – parece-me – é coisa que, de forma alguma, querem perder.

 

Terra de grande beleza, emoções e muitas lições, esta Angola do século XXI. Para recordar e para acentuar que ela é assim porque as suas bases culturais são muito diferentes das dos outros países. Coordenei a edição de um livro, que teve a colaboração de nomes de elevada competência, contando um pouco de História e estórias das terras visitadas pelo Raid. O livro – patrocinadopelo Banco Keve – foi editado pela Pangeia Editora, em Portugal, e pelas Edições Chá de Caxinde, em Angola.
Acho que vale a pena ler o livro para se compreender melhor esta Angola do Sec. XXI. Anda a escrever sobre Angola muita gente que não sai de Luanda. E em Luanda não sai do asfalto. E no asfalto não sai do Hotel Trópico…

 

Angola não é terra para ser vista de uma forma redutora. E para o ano, se Nossa Senhora da Muxima ajudar, lá estamos de novo… Desta vez será o Leste?

 

Um texto de Miguel de Anacoreta Correia na Revista do INATEL

 

A 5ª Edição Raid TT Kwanza Sul - 2010 vai acontecer entre os dias 23 de Junho e 4 de Julho (ler mais)

 

Carlos Alberto Santos

 

África à distância de um desejo

Alto Chicapa, 16.03.10

Depois dos quatro itinerários que vos propus em Abril de 2009, da reunião que fizemos, para o efeito, em Torremolinos e de uma meia dúzia de pareceres técnicos, que entretanto obtive, deixo-vos a proposta (quase) final da nossa viagem a Angola.
 

É importante a vossa opinião. A avaliação do itinerário também é fundamental para que tudo corra bem. Não se esqueçam que é uma grande viagem e… é a nossa viagem.

 

Agradeço que a validem.
 

Finalmente… logo que esteja ultrapassada mais esta etapa e depois de se conhecerem os eventuais interessados, a proposta será entregue a três operadores turísticos em Portugal e à Associação das Agências de Viagens e Operadores Turísticos de Angola.

 

Ler mais...

 

Carlos Alberto Santos

 

Falar de nós... no Natal

Alto Chicapa, 23.12.09

A Companhia de Caçadores 3485 foi uma das três companhias operacionais do Batalhão 3870. Formou-se, no ano de 1971, no quartel de Chaves e no Campo Militar de Santa Margarida.

 

Podes recordar aqui, com algumas imagens, todos os nossos nomes.

 

Esteve em Angola de Fevereiro de 1972 a Julho de 1974.

 

...terra de magia e beleza... que podes recordar aqui, com fotografias cedidas pelo António Ferreira, Daniel Velosa, Carlos Alberto Santos, Álvaro Marques, Carlos Oliveira, Carlos Tavares Santos e Manuel Coimbra.

 

 

 

Angola, terra de magia e beleza, marcou a nossa juventude. As nossas memórias, entre perigos e alegrias, retiveram as populações, muitas e variadas paisagens de sonho e a camaradagem. Luanda, Nova Lisboa, Luso, Henrique de Carvalho, Teixeira de Sousa, Gago Coutinho, Sacassange, Canage, Lucusse, Alto Chicapa, António Cavula, Camachilonda, Cacolo, …, (nomes da época), fazem parte das nossas vidas.

 

...esta época, que fez parte das nossas vidas, e que podes recordar aqui com textos escritos por Manuel Esteves com Cambatxilonda, Manuel Carvalho com Paragem Leste  e Carlos A Santos com Chicapa, o final da viagem e As minhas conversas com Sá Moço.

 

 

 

Como qualquer guerra, esta foi igualmente injusta, estúpida, cruel e que em muitos momentos nos fez sofrer tanto, mas qualquer que seja a abordagem a este passado, sabemos que é extraordinário em todos os aspectos a camaradagem e a amizade que se mantém, como podes ver:

Um Feliz Natal para todos, e... um abraço do tamanho do Txicapa, como diz o nosso bom amigo Manuel Esteves.

 

Também desejo, umas Boas Festas e de um Bom Ano Novo ao povo angolano.

 

 

Carlos Alberto Santos

 

Ex-Militares, Companhia Caçadores 3485, Batalhão 3870 - Almoço / Convívio nas Caldas da Rainha - 16 de Maio

Alto Chicapa, 12.05.09

Há trinta e sete anos (Lembram-se? Foi ontem?) um grupo de jovens, ainda com sonhos por viver, entra num avião a caminho do desconhecido e de uma miserável guerra.
 

Foram dois anos e meio, difíceis, Deus sabe!
 

Mesmo assim, Angola, Luanda, Luso (Luena), Sacassange, Luatamba, Canage, Lucusse, Alto Chicapa, Cacolo, Henrique de Carvalho (Saurimo), Sá da Bandeira (Lubango), aquele povo e aquelas matas ficaram-me no coração.
 

Hoje… acho que o nosso acto heróico foi sabermos traçar o futuro, agora o nosso presente.

 

A vida é uma experiência compensadora, mesmo nas adversidades. É nisto que eu acredito, por isso sou grato a tudo e a todos pela minha vida.
 

Como estamos no mês de Maio, o mês do nosso convívio / almoço anual, pareceu-me que seria bonito recordar alguns encontros, onde estive ou de onde tenho algumas imagens.
 

Em 1996 - Peniche

Ver mais detalhes

 

Em 1998 - Santarém

Ver mais detalhes

 

Em 2002 - Alenquer

Ver mais detalhes

 

Em 2003 - Arouca

Ver mais detalhes

 

Em 2006 - São João da Pesqueira

Ver mais detalhes

 

Em 2007 - Ponte de Lima

Ver mais detalhes

 

Em 2008, Évora

Ver mais detalhes

 

 

Carlos Alberto Santos

 

 

As fotografias mais vistas

Alto Chicapa, 09.05.09

 Das 7.925 vezes, que as nossas fotos foram vistas, destaco:

 

75 Visualizações

 

209 Visualizações

 

110 Visualizações

 

92 Visualizações

 

107 Visualizações

 

95 Visualizações

 

96 Visualizações

 

84 Visualizações

 

88 Visualizações

 

81 Visualizações

 

84 Visualizações

 

87 Visualizações

 

85 Visualizações

 

168 Visualizações

 

Carlos Alberto Santos

 

 

De pau feito

Alto Chicapa, 08.04.09

Estava de serviço no Alto Chicapa, era o chamado oficial de dia, mas neste caso, era da noite. Como de costume dava o meu passeio em paz, no meio de uma grande cidade de estrelas.
A determinada altura, as estrelas fugiram e a paz passou a pesadelo.


- Então C, estás bonito… já nem dás com a caserna! Deixas-te o destacamento?
 

- Não! Não quero conversas consigo… foda-se!
 

- Que mal te fiz? Calma, é para ali e vai lá embora… toma um banho!
 

- São todos uns cabrões, chicalhada! Não quero conversas, já disse, só falo com a minha mãe! Hoje estou de sentinela sem parar!
 

Deixei-o. Continuou de mal com a vida, com todos e até o quico enfiado na cabeça o revoltava. Perguntava insistentemente, quem vem lá… quem vem lá... lá, lá, lá lá lá?
 

Passado uns dias, não desisti, de chegar à fala com ele. Era um rapaz educado, embora um pouco revoltado. Foi fácil dar-lhe alguma razão, percebeu-me e conseguimos ter uma conversa muito agradável (ainda adoro uma boa conversa de amigos).
 

- Vim do Cambatxilonda, não sei se de castigo, o homem é duro, não sabe brincar, mesmo aqui na mata…, se um tipo… leva logo uma “piçada”.
- Sabe! Andava de pau feito e sem a possibilidade de o desfazer, até doía!
 

- Entendo, um homem de pau feito não é a mesma coisa que um homem feito de pau!
 

- Aconteceu ou deram-me qualquer porra!
- Fui dar uma volta pela aldeia. A determinada altura fiquei a olhar para uma, era ela, escura no escuro, imaginei-a logo, descascadinha. Nunca a tinha visto assim, mas é como a tivesse visto, estendida, oferecida, só com o lençol por cima, até estava calor, o meu olhar estava perdido e o pau… todo no ar… deves ser um espanto, agora é que vai ser, beleza, não te assustes.
 

- Já percebi! Assustou-se e deu merda!
 

- É verdade, mas não se assustou, até lhe soube bem e era uma doida a foder de lado, só que no fim… queria muito dinheiro.
 

- Já viste, os tipos podiam estar feitos com ela ou sabe-se lá quem, até podiam aparecer nos bicos dos pés e darem-te cabo do canastro. Agora que tudo está mais calmo, digo-te, ia ser bonito, um tipo morto a caminho do putu de piça… ou melhor de pau feito…
 

- Era uma vergonha, foooda-se…

 

Agradecimentos:

 

À família 3485.
Convosco, continuo jovem e a sonhar... e percebo, que para alegria de muitos, ainda vemos o mundo desta forma!

 

Ao Manuel Carvalho e ao seu blog Paragem Leste.
Obrigado, é uma nova delícia de recordações.

 


Relativamente aos meus comentários às tais cagadeiras, agora acrescento esta fotografia, pois, como enfermeiro, talvez consigas, no meio de tanta porcaria adivinhar os milhões de salmonelas e outras... onde estaria o tipo dos colhões cor-de-rosa quando se lhe reportavam as situações...

 

Ao nosso manel, o Manuel Esteves e ao seu blog Cambatxilonda.
Parabéns, achei a estreia plena de sensibilidade e com muito que ler nas entrelinhas, até me lembrei do episódio que acabei de contar. Estou ansioso pelo próximo tema.

 

(cedida por Álvaro Marques)
 

Deixo esta fotografia… tantas recordações!

 

Finalmente, aos que estão atentos ao nosso site.
Deixo um verdadeiro muito obrigado, a todos, quantos, com maior ou menor regularidade, nos têm honrado com o prazer e a importância das suas visitas.
 

Carlos Alberto Santos

 

Ex-Militares da 3485 no MEO Kanal

Canal nº 888882 – Ex-Militares da 3485 no MEO Kanal